Turquia anuncia ofensiva na Síria, com derrubada de dois aviões

Turquia anuncia ofensiva na Síria, com derrubada de dois aviões

Ancara abriu fronteiras para migrantes rumo à Grécia e pressiona ocidente por apoio

AFP

Turcos realizaram ataques aéreos em vários alvos de Idlib

publicidade

A Turquia confirmou, neste domingo, o lançamento de uma grande ofensiva militar contra o regime sírio, que teve dois de seus aviões abatidos, enquanto mantém a pressão sobre a Europa, deixando milhares de migrantes passarem para a Grécia. Após semanas de escalada na região de Idlib, no noroeste da Síria, Ancara anunciou a operação "Escudo da Primavera" contra o regime de Bashar al-Assad, que sofreu pesadas perdas nos ataques turcos nos últimos dias.

Sinal da intensificação dos combates, dois aviões de regime sírio e um drone turco foram abatidos em Idlib neste domingo, informaram Ancara e o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH). Em busca de apoio ocidental, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan abriu as portas da Europa aos migrantes que, aos milhares, continuavam a se dirigir à fronteira grega. À medida que a situação na Síria se complica, o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, enfatizou que Ancara não busca um confronto com Moscou, poderoso aliado do regime sírio.

O objetivo da ofensiva turca, segundo ele, é "acabar com os massacres do regime e impedir uma onda migratória". A Turquia multiplicou desde sábado os ataques com drones contra posições do regime sírio, mas é a primeira vez que anuncia oficialmente uma operação mais ampla. - Tensões russo-turcas -A operação foi lançada na quinta-feira após a morte de 33 soldados turcos em ataques aéreos atribuídos ao regime, as maiores perdas sofridas por Ancara desde o início de sua intervenção na Síria em 2016. Na sexta e no sábado, quase 90 soldados e combatentes de grupos aliados a Damasco foram mortos em ataques turcos, segundo o OSDH.

Nesse clima volátil, o exército sírio alertou neste domingo que abateria qualquer aeronave "inimiga" na região de Idlib. Com o apoio da força aérea russa, o regime sírio conduz desde dezembro uma ofensiva para retomar a região, a última fortaleza rebelde e jihadista na Síria. - Tensão entre Rússia e Turquia -Essa ofensiva causou atrito entre Ancara e Moscou. Embora a Turquia apoie certos grupos rebeldes e a Rússia apoie o regime, os dois países vêm fortalecendo sua cooperação nos últimos anos.

No sábado, o presidente Erdogan pediu ao russo Vladimir Putin que "saia do caminho" da Turquia na Síria e garantiu que o regime de Damasco "pagará o preço" por seus ataques. Neste domingo, a situação pareceu se acalmar quando o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que os presidentes russo e turco poderão se encontrar na quinta ou na sexta-feira. "Sem dúvida será uma reunião complicada, mas ambos os chefes de Estado concordam com a necessidade de acertar a situação em Idlib", disse Peskov. Nesse contexto de tensões, o editor e três colaboradores na Turquia do veículo de comunicação russo Sputnik, financiado pelo Kremlin, foram detidos pelas autoridades turcas e liberados nesse domingo após conversa no telefone entre os chanceleres de Moscou e Ancara.

O editor-chefe do Sputnik Turquia, Mahir Boztepe, "foi libertado depois de comparecer na sede da polícia de Istambul", afirmou a agência russa em seu site. A agência de imprensa estatal turca Anadolu informou que Boztepe foi preso no contexto de uma investigação por "insultar a nação turca e o Estado turco" e "violação da unidade do Estado e da integridade do país". A escalada em Idlib suscita temores da comunidade internacional, em vista de uma situação humanitária catastrófica.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895