Turquia recebe presidentes da Rússia e do Irã para cúpula sobre Síria
capa

Turquia recebe presidentes da Rússia e do Irã para cúpula sobre Síria

Reunião teve início após encontros bilaterais entre dirigentes

Por
AFP

Governantes discutem ofensiva de Bashar al-Assad contra Idlib

publicidade

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, recebe, nesta segunda-feira, os colegas russo e iraniano em Ancara para uma nova cúpula sobre a Síria, dedicada a tratar da ofensiva do governo Bashar al-Assad contra Idlib, último bastião rebelde neste país. A reunião tripartite teve início após os encontros bilaterais entre os dirigentes na capital turca.

O iraniano Hassan Rohani e o russo Vladimir Putin chegaram à Turquia no domingo à noite e nesta segunda, respectivamente. Desde 2017, esta é a quinta cúpula entre Erdogan, Putin e Rohani. Enquanto a Turquia apoia a oposição no território sírio, Irã e Rússia são aliados do governo Assad.

Em um momento, no qual a vitória de Assad parece cada vez mais próxima, a prioridade de Ancara é evitar um novo fluxo em massa de refugiados procedentes de Idlib, no noroeste da Síria. Apesar dos chamados de cessar-fogo, a região, onde vivem três milhões de pessoas, é alvo de uma ofensiva do governo sírio.

Em virtude de um acordo firmado no ano passado com a Rússia, a Turquia conta com 12 postos de observação na zona, um deles agora cercado pelas tropas de Damasco. O objetivo da cúpula é examinar "a evolução dos acontecimentos na Síria, sobretudo em Idlib, mas também ver que passos conjuntos dar no próximo período para cessar o clima de conflito, pôr em marcha as condições necessárias para o retorno voluntário dos refugiados e instaurar uma solução política", declarou a presidência turca em um comunicado.

Idlib continua sendo alvo de bombardeios esporádicos, apesar da instável trégua decretada em 31 de março e após quatro meses de ataques do governo sírio e de seu aliado russo. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), a ofensiva deixou mais de 960 civis mortos.

"Nesta zona, continua estando presente uma grande quantidade de terroristas [...] e os combatentes continuam disparando contra as posições das forças do governo", declarou o conselheiro do Kremlin, Yuri Ushakov, nesta segunda. Antes de embarcar para Ancara, Rohani afirmou que, embora uma grande parte dos problemas da Síria esteja resolvida, Idlib é uma das principais questões da cúpula.

Questões em aberto

O presidente iraniano mencionou ainda a situação do leste do Eufrates, onde a Turquia concluiu com os Estados Unidos um acordo para criar uma "zona de segurança" que separe a fronteira turca das zonas sírias controladas pela milícia curda, apoiada por Washington, mas considerada "terrorista" por Ancara. Para Turquia, um dos objetivos desta área é poder realocar uma parte dos mais de 3,6 milhões de refugiados sírios instalados no país.

Já a Rússia deseja avançar na criação de um comitê constitucional encarregado da redação de uma Carta Magna para depois da guerra. Em caso de sucesso, será mais uma vitória política para Putin, somando-se às suas conquistas militares, considera Dareen Khalifa, analista do International Crisis Group. De qualquer modo, afirma Khalifa, não se espera muito deste encontro a três.