UE terá vacinas para 70% de seus adultos até o final de julho

UE terá vacinas para 70% de seus adultos até o final de julho

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fez uma visita a uma fábrica de vacinas da Pfizer/BioNTech

AFP

Von der Leyen durante uma visita a uma fábrica de vacinas da Pfizer/BioNTech

publicidade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou nesta sexta-feira (23) que os programas europeus de vacinação contra a Covid-19 disponibilizarão até o fim de julho vacinas suficientes para imunizar 70% da população adulta. O executivo europeu estabeleceu anteriormente a meta da imunização de 70% dos adultos nos países do bloco para o fim do verão boreal (inverno no Brasil).

"Tenho confiança que teremos doses suficientes para vacinar 70% dos adultos europeus até o mês de julho", disse Von der Leyen durante uma visita a uma fábrica de vacinas da Pfizer/BioNTech.

De acordo com Von der Leyen, a UE deve concluir "nos próximos dias" um novo contrato com a empresa para obter 1,8 bilhão de doses adicionais em 2022 e 2023. A vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech é mais cara do que os outros imunizantes para combater a pandemia de coronavírus, mas seu método de RNA mensageiro é uma das bases da estratégia da UE para enfrentar variantes da Covid-19.

Com o surgimento da pandemia, os 27 países da UE decidiram conceder o poder negociador unificado à Comissão Europeia para obter vacinas para todos, embora inicialmente as campanhas de imunização tenham encontrado dificuldades de distribuição. No entanto, Von der Leyen agradeceu nesta sexta a Pfizer/BioNTech e a empresa subsidiária que produz as vacinas em Puurs, no norte da Bélgica, pelo "enorme esforço" para adaptar sua logística.

Em sua visita à fábrica, acompanhada pelo diretor gerente da Pfizer, Albert Bourla, Von der Leyen fez referências ao laboratório como um "parceiro confiável". A frase foi interpretada como uma indireta ao laboratório AstraZeneca, com o qual a UE mantém uma relação extremamente difícil, devido aos atrasos nas entregas das vacinas negociadas nos contratos.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895