Unesco alerta sobre danos do terremoto aos patrimônios turcos e sírios

Unesco alerta sobre danos do terremoto aos patrimônios turcos e sírios

Cidade antiga Aleppo foi uma das atingidas pelo abalo sísmico que atingiu os dois países

AFP

publicidade

O devastador terremoto que deixou milhares de mortos na Turquia e na Síria  também causou danos significativos a vários locais inscritos na lista de Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), conforme anunciado por esta agência do sistema ONU.

Além da destruição na cidade antiga de Aleppo (norte da Síria), localidade incluída no patrimônio mundial em perigo, e na fortaleza de Diyarbakir (sul da Turquia), a Unesco alertou que outros lugares próximos ao epicentro podem ter sido afetados. "Nossa organização prestará assistência no âmbito de seu mandato", declarou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, em um comunicado divulgado na noite de segunda-feira (6).

De acordo com a nota, a organização começou a fazer, em colaboração com seus parceiros, uma primeira análise dos danos patrimoniais causados pelo terremoto.

Já muito impactada pelos quatro anos de combates entre 2012 e 2016, a cidade antiga de Aleppo é um dos pontos, pelos quais a organização está "particularmente preocupada", sobretudo, com a cidadela e os "souks", os tradicionais mercados na região.

A agência especializada também destaca o "desabamento de vários edifícios" da fortaleza de Diyarbakir e os Jardins Hevsel na Turquia, "um importante centro das eras romana, sassânida, bizantina, islâmica e otomana".

Pelo menos outros três patrimônios mundiais turcos podem ter sido danificados: Göbekli Tepe, Nemrut Dag e o sítio arqueológico de Arslantepe, acrescenta a Unesco, que que busca "fazer um inventário preciso dos danos com o objetivo de proteger e estabilizar rapidamente esses locais".

Com uma parte destruída pelo tremor, o castelo de Gaziantep, na Turquia, cujas imagens circulam nas redes sociais, não faz parte do patrimônio mundial da Unesco.

 

 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895