Unicef alerta sobre queda "alarmante" de vacinação em crianças na América Latina

Unicef alerta sobre queda "alarmante" de vacinação em crianças na América Latina

"Em apenas cinco anos, o calendário completo de vacinação de difteria, tétano e coqueluche caíram de 90% em 2014 para 76% em 2020", apontou o Unicef

AFP

Queda da cobertura em 14 pontos percentuais nos últimos anos afeta quase 2,5 milhões de crianças

publicidade

Uma em cada quatro crianças da América Latina e Caribe não tem o calendário completo de vacinação, o que as torna vulneráveis a doenças perigosas, em uma região com uma queda "alarmante" de menores vacinados, alertou o Unicef nesta segunda-feira. "Em apenas cinco anos, o calendário completo de vacinação de difteria, tétano e coqueluche caíram de 90% em 2014 para 76% em 2020", apontou o Unicef em um comunicado.

Isto significa, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, que "uma em cada quatro crianças" na América Latina não receberam o esquema completo de vacinação de rotina que as protegeria de "diversas enfermidades". "A queda das taxas de vacinação na região é alarmante", alertou Jean Gough, diretora regional do Unicef para América Latina e Caribe, com sede no Panamá.  A situação "deixa milhões de meninos, meninas e adolescentes expostos a doenças graves, ou até mesmo à morte, quando poderia ser evitado", acrescentou.

Segundo o Unicef, a queda da cobertura em 14 pontos percentuais nos últimos cinco anos afeta quase 2,5 milhões de crianças, que não receberam as três doses da vacina contra a difteria, tétano e coqueluche. Destes, 1,5 milhão não receberam nem mesmo a primeira dose dessa vacina. A diminuição da cobertura de vacinação já havia começado antes da pandemia da Covid-19. No entanto, a situação se agravou com a suspensão de serviços básicos de saúde devido ao coronavírus e o medo de se contagiar ao procurar um centro médico, garantiu a Unicef.

Veja Também


 



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895