Brigada Militar apreende mais de 200 armas no combate à criminalidade em Rio Grande

Brigada Militar apreende mais de 200 armas no combate à criminalidade em Rio Grande

O objetivo é reduzir a violência na cidade, principalmente em relação aos homicídios e tráfico de drogas

Correio do Povo

Recentes flagrantes ocorreram nos bairros Getúlio Vargas e São Miguel

publicidade

A Brigada Militar ultrapassou a marca de 200 armas de fogo apreendidas desde o início deste ano na cidade de Rio Grande onde um conflito entre facções já resultou em 56 homicídios no período.

As mais recentes apreensões de armamento, que totalizaram 202 armas nos primeiros cinco meses deste ano, ocorreram no final da noite dessa terça-feira, quando o efetivo das Patrulhas Especiais (Patres) do 1º Batalhão de Polícia de Choque (1° BPChq), de Porto Alegre, realizava patrulhamento orientado dentro das ações da operação Lagunar.

No bairro Getúlio Vargas, um jovem foi detido com um revólver calibre 32 com cinco munições. Logo em seguida, um adolescente foi flagrado usando um colete balístico e por estar portando uma pistola calibre 380 com duas munições. Já no bairro São Miguel, um homem foi preso com uma pistola calibre nove milímetros com 11 munições.

Para a Brigada Militar, “essas prisões são resultado de um trabalho constante das guarnições policiais que estão fazendo o enfrentamento qualificado aos crimes violentos letais intencionais no município”. Conforme a BM, a apreensão de 202 armas de fogo é um “número histórico”.

De acordo com o comandante do 6º BPM, major Marcelo Nunes Ferreira, o recorde soma-se ao menor número de roubos a pedestres já registrados (em fevereiro) ou também a nenhuma ocorrência de roubo a transporte público (em março).

Ele destacou o trabalho desenvolvido pela BM na cidade e que “está no caminho certo para a diminuição dos principais indicadores de criminalidade”. Lembrou ainda “outras estratégias de policiamento ostensivo orientado pela inteligência estão sendo empregadas, as quais não cessarão enquanto os principais crimes estiverem ocorrendo na cidade”.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895