Cerca de 30 toneladas de maconha que vinham para o RS são apreendidas
capa

Cerca de 30 toneladas de maconha que vinham para o RS são apreendidas

No Mato Grosso do Sul, motorista, morador de Garibaldi, foi preso em flagrante quando viajava para São Leopoldo

Por
Correio do Povo

Entorpecente apreendido na MS-295 estava escondido sob grãos de milho no caminhão dirigido pelo condutor gaúcho

publicidade

A Polícia Rodoviária Federal confirmou na manhã desta quinta-feira que duas apreensões de drogas no Mato Grosso do Sul e em Santa Catarina, pesando ambas cerca de 30 toneladas, tinham como destino o Rio Grande do Sul. Na cidade sul-mato-grossense de Iguatemi, perto da fronteira com o Paraguai, um carregamento recorde de 28 toneladas de maconha foi interceptado na quarta-feira na rodovia MS-295. Uma carreta Volvo, com placas de Pelotas (RS), foi abordada pelo efetivo da PRF e da Polícia Federal. O caminhão estava carregado de grãos de milho.

O condutor, de 38 anos, morador de Garibaldi (RS), demonstrou nervosismo na abordagem. Na revista do veículo foi então descoberta a droga distribuída em tijolos que estava escondida sob a carga. Preso em flagrante, o motorista confessou que viajava para São Leopoldo (RS) e receberia cerca de R$ 40 mil para atuar como “mula”. Já o milho tinha nota fiscal para ser entregue em Farroupilha (RS). Trata-se de uma das maiores apreensões de maconha pela PRF no país. A ocorrência foi registrada na Polícia Federal de Ponta Porã. 

Já na cidade catarinense de Maravilha, a PRF e a Polícia Civil apreenderam em torno de duas toneladas de maconha também na quarta-feira na BR 282. Na rodovia, uma carreta bitrem, com placas de Dois Vizinhos, (PR) foi abordada.

O caminhão encontrava-se vazio, mas os policiais desconfiaram da versão dada pelo motorista e realizaram uma fiscalização detalhada no veículo. Nos semirreboques, os policiais rodoviários federais constataram grande quantidade de fardos da droga embaixo da lona da carroceria. Detido, o motorista, de 35 anos, admitiu que entregaria o entorpecente no Rio Grande do Sul, mas não quis revelar o local.