Cirurgião plástico é investigado por suspeita de abuso sexual de pacientes sedadas em Porto Alegre

Cirurgião plástico é investigado por suspeita de abuso sexual de pacientes sedadas em Porto Alegre

Ao menos 12 vítimas já registraram ocorrência na 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher

Correio do Povo

Ordens judiciais foram cumpridas na clínica e na casa do médico

publicidade

Um cirurgião plástico é investigado por suspeita de abuso sexual de pacientes sedadas em Porto Alegre. Na manhã desta terça-feira, os agentes da 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Porto Alegre, sob comando da delegada Jeiselaure Rocha de Souza, cumpriram dois mandados de busca e apreensão no bairro Três Figueiras, durante a operação Hipócrates.

Uma das ordens judiciais foi na clínica de cirurgia plástica do médico. Já a outra foi na residência dele.  Aparelhos eletrônicos foram recolhidos, pois existe a informação de que os abusos eram filmados pelo suspeito.

Objetos de uso pessoal do médico também foram levados para a comparação genética no Instituto-Geral de Perícias. Armas de fogo foram ainda encontradas, bem como animais exóticos localizados na casa.

As investigações contam com relatos de 12 mulheres até o momento, consideradas pelos policiais civis como vítimas de crimes contra a dignidade sexual após procurarem a clínica para realização de procedimentos estéticos.

As mulheres relataram de modo unânime o comportamento lascivo do suspeito, que durante as consultas importunava-lhes sexualmente, proferindo comentários que extrapolam a boa prática profissional e a relação médico-paciente. Um dos casos envolveria menor de idade, o que configura a prática de estupro de vulnerável.

A equipe da 1ª Deam acredita, porém, que o número de vítimas seja maior pois os fatos ocorreriam desde, ao menos, o ano de 2007. Vários inquéritos já tramitam na delegacia. 

O cirurgião plástico seria também alvo de procedimentos administrativos junto ao Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), além de ser demandado em ações judiciais em âmbito cível.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895