Detalhes em novo depoimento vão demonstrar que mãe não teve intenção de matar filho, diz advogado

Detalhes em novo depoimento vão demonstrar que mãe não teve intenção de matar filho, diz advogado

Alexandra Dougokenski confessou a morte de Rafael Mateus Winques, de 11 anos, em Planalto

Por
Jessica Hübler

Advogado defende homicídio culposo no caso em Planalto


publicidade

Alexandra Dougokenski, que matou o próprio filho, Rafael Mateus Winques, de 11 anos, em Planalto, prestou novo depoimento à Polícia Civil na tarde de sábado. De acordo com o advogado dela, Jean Severo, o objetivo é "trazer uma riqueza de detalhes sobre o que aconteceu no dia do fato". "Esses detalhes não constam no antigo depoimento. É necessária essa explicação para que se possa entender a dinâmica, que é de um homicídio culposo. E é isso que a defesa vai demonstrar", afirmou. Segundo ele, no outro depoimento Alexandra também não estava acompanhada de um advogado. "Isso é inadmissível", comentou. 

Conforme Severo, os detalhes vão demonstrar que Alexandra nunca teve a intenção de matar o próprio filho. “Ela é uma excelente mãe, testemunhas comprovam isso, falam isso com a maior naturalidade. Inclusive, uma professora fala que o menino só confiava nela, isso porque ela era uma excelente mãe. Vocês acham que se ela fosse uma mãe ruim, o menino ia confiar nela?”, questionou.

Sobre os detalhes que serão expostos por Alexandra no novo depoimento, Severo ressaltou que "a questão principal é a da corda". "Se fala muito do laudo, que ainda não foi juntado ao inquérito, que trouxe esse estrangulamento. Ela explica aos policiais o porquê da corda, como foi utilizada, a situação do remédio, o porquê do remédio. Tudo isso é importante porque fecha a lógica do homicídio culposo", reforçou Severo.

De acordo com ele, todas as explicações são necessárias para retirar o dolo. "Ela tem que explicar o que aconteceu e a reconstituição é fundamental, é o que vai comprovar que foi um homicídio culposo. Ainda precisamos que os laudos sejam juntados no processo, o que não aconteceu ainda. Mas o mais importante é a reconstituição lá em Planalto", enfatizou, assinalando que a reconstituição da cena do crime é fundamental. 

Sobre o uso do remédio, Severo declarou que sua cliente, Alexandra, garantiu que ministrou a medicação. "Eu acredito nela. Vai ter que aparecer (no laudo)", afirmou.


Severo acredita que Alexandra deverá ser condenada por homicídio culposo e ocultação de cadáver. "Ela deve ser condenada, ela é confessa. É isso. Não adianta a polícia ficar tentando procurar o que não tem para colocar nas costas dessa moça um homicídio qualificado. Isso não pode", reiterou.