Disputa entre facções pelo tráfico de drogas é investigada pela Polícia Civil em Porto Alegre

Disputa entre facções pelo tráfico de drogas é investigada pela Polícia Civil em Porto Alegre

Conflito já deixou 11 vítimas nos últimos cinco meses no bairro Restinga

Correio do Povo

Na quinta-feira, um suspeito foi capturado pelos agentes

publicidade

A 4ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (4ª DPHPP) já contabiliza nove ocorrências, entre homicídios tentados e consumados, atingindo 11 vítimas, nos últimos cinco meses no bairro Restinga. “A disputa territorial por pontos de tráfico, já gerou diversos ataques de ambas as facções”, resumiu o delegado Rodrigo Pohlmann Garcia, referindo-se aos dois grupos que atuam na região.

“Além dos homicídios ocorridos entre os integrantes desses grupos criminosos, bem como de pessoas da comunidade atingidos e que não tem envolvimento com a criminalidade, tem se verificado a retirada forçada de moradores, que são obrigados a desocuparem seus lares para darem para membros da facção, que usam os locais para traficar, morar, esconder armas e drogas”, observou o titular da 4ª DPHPP.

As investigações têm resultado em prisões. Na quinta-feira passada, os policiais civis capturaram um dos autores de um homicídio cometido no dia 12 de junho deste ano na avenida Doutor João Dentice. A vítima foi alvo de diversos disparos de pistolas calibres 9 milímetros e 40. Os atiradores, de uma facção contrária, estavam em um Ford Ka.

O suspeito foi detido no bairro São José. Ele estava em uma residência na rua Clemente Pereira, onde permanecia escondido desde o crime. Conforme o delegado Rodrigo Pohlmann Garcia, os ataques intensificaram-se após o retorno de uma liderança criminosa do sistema prisional federal e atualmente detido na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc).

A Brigada Militar também tem atuado na região. Na última sexta-feira, o efetivo do 21º BPM prendeu dois criminosos com uma espingarda calibre 12, uma pistola calibre 380, uma pistola calibre 9 milímetros, um revólver calibre 38, quatro carregadores, mais de 70 munições e um telefone celular.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895