EUA reportam aumento recorde de plantações de coca e produção de cocaína na Colômbia

EUA reportam aumento recorde de plantações de coca e produção de cocaína na Colômbia

Governo norte-americano afirmou que manterá aliança antidrogas com país latino

AFP

Aeronave da presidência foi alvejada

publicidade

Os Estados Unidos informaram nesta sexta-feira um aumento recorde das áreas de plantação de coca e da produção de cocaína na Colômbia em 10 anos, embora tenham garantido que "a aliança antidrogas" entre os dois países continua firme. Em 2020, "os números do cultivo de coca e da produção de cocaína atingiram um recorde de 245.000 hectares e 1.010 toneladas métricas, respectivamente", informou o Escritório de Política Nacional de Controle de Drogas da Casa Branca (ONDCP, sigla em inglês).

Isso representa um aumento em relação a 2019, quando foram registrados 212.000 hectares de plantação de coca e 936 toneladas métricas produzidas de cocaína, e um pico na última década. "Essas tendências mostram a necessidade de aumentar os enfoques holísticos que combinam o desenvolvimento econômico, o aumento da presença do governo e a segurança dos cidadãos", apontou o ONDCP em comunicado. O escritório também apontou que a Colômbia deve aumentar a "interdição e erradicação nas principais áreas rurais, para reduzir a produção de cocaína de forma sustentável e construir a paz nas áreas afetadas pelo conflito".

Embora a Colômbia tenha assinado um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2016, grupos armados continuam disputando o controle do narcotráfico, entre eles dissidentes dessa extinta guerrilha, o Exército de Libertação Nacional (ELN) e grupos criminosos originados de grupos paramilitares.

O governo Joe Biden, entretanto, reconheceu os esforços da Colômbia na luta contra as drogas. Ele destacou que o governo de Iván Duque informou sobre a erradicação manual de um recorde de 130.000 hectares de coca e a apreensão de quase 580 toneladas métricas de cocaína e pasta base de cocaína em 2020, apesar do "aumento da violência nas zonas rurais e dos altos índices de Covid-19". "A aliança antidrogas entre Estados Unidos e Colômbia continua forte", afirmou o ONDCP.

O governo Duque emitiu um comunicado destacando o "enorme desafio" que representa a luta contra as drogas ilícitas e o "apoio decisivo" dos Estados Unidos. Também destacou que os números do ONCDP contrastam com a redução das áreas de cultivo de coca relatadas nos últimos três anos pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), de 7% em 2020.

De acordo com estimativas dos EUA, a Colômbia continua sendo o principal plantador de coca e produtor de cocaína na região andina. "Todos devemos fazer mais para deter o tráfico de drogas", disse a diretora em exercício do ONCDP, Regina LaBelle, que pediu enfoques integrais para fortalecer as comunidades locais.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895