Feminicídio ocorrido em Taquara é investigado pela Polícia Civil

Feminicídio ocorrido em Taquara é investigado pela Polícia Civil

Homem é suspeito de esfaquear e matar esposa, além de ferir duas filhas, sendo baleado e morto ao atacar os policiais militares

Correio do Povo

Responsável pelo caso, a delegada Rosane de Oliveira Oliveira quer apurar circunstâncias de todos os fatos ocorridos

A Polícia Civil abriu inquérito para esclarecer as circunstâncias do caso de feminicídio ocorrido na tarde desse domingo na localidade de Pega Fogo de Baixo, na zona rural do município de Taquara. Em uma residência, um homem de 51 anos é suspeito de esfaquar e matar a esposa, de 48 anos, além de ferir com golpes as duas filhas pequenas do casal, uma criança e uma adolescente, em seguida.

Acionados, os policiais militares do 32º BPM foram até o local, sendo atacados pelo indivíduo armado com uma faca. Em defesa própria, um dos brigadianos atirou e matou-o. A área ficou isolada para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias.

A investigação está sob comando da titular da DP de Taquara. Na manhã desta segunda-feira, a delegada Rosane de Oliveira Oliveira explicou que o inquérito deve ouvir as duas filhas do casal e outras possíveis testemunhas.  “É uma família completamente desestruturada”, observou. Um outro filho do casal foi morto recentemente por em um provável envolvimento com o tráfico de drogas.

Sobre a morte do autor do feminicídio, a delegada Rosane de Oliveira Oliveira considerou bem elucidada a situação. “O inquérito também é para apurar a circunstâncias desse fato, mas está bem tranquilo. Ele veio correndo para cima dos PMs com uma faca na mão e esses defenderam…” afirmou. “Caso não tivessem se defendido, um dos policiais militares possivelmente seria morto”, acrescentou.

Segundo a delegada Rosane de Oliveira Oliveira, o homem estava transtornado há alguns dias. “Ele subjugava ela o tempo inteiro, o dia todo…”, destacou. Em 2013, o indivíduo havia tentado matar um outro filho a facadas. Dentro do trabalho investigativo, os agentes da DO de Taquara aguardam os laudos periciais do IGP que recolheu uma faca e um espeto de churrasco na cena do crime.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895