Freezer retorna do conserto recheado com drogas, bebidas e celulares ao Presídio Estadual de Canela

Freezer retorna do conserto recheado com drogas, bebidas e celulares ao Presídio Estadual de Canela

Descoberta da Polícia Civil impediu que presos tivessem acesso ao equipamento que tinha um fundo falso instalado

Correio do Povo

Cocaína, maconha, LSD, lança-perfume, celulares, garrafas de uísque, entre outros materiais ilícitos, foram apreendidos

publicidade

Um freezer no interior do Presídio Estadual de Canela foi apreendido com drogas, bebidas e celulares, avaliados em mais de R$ 100 mil, que seriam destinados a cerca de 100 apenados. A descoberta foi realizada pela Polícia Civil durante uma operação realizada na noite de quarta-feira.

O equipamento tinha um fundo falso onde foram encontrados mais de um quilo de cocaína, 3,5 quilos de maconha, 250 pontos de LSD, um frasco de lança-perfume, 12 celulares com 12 carregadores, nove chips e 15 fones de ouvido, chips, duas garrafas de uísque, um controle de videogame, três relógios e duas correntes de prata, entre outros objetos. A ação teve apoio de agentes penitenciários da Susepe.

A operação foi conduzida pela equipe da DP de Canela, sob comando do delegado Vladimir Medeiros. Ele explicou que o estabelecimento prisional possui vários congeladores, tanto na cozinha, como nas galerias para usufruto dos detentos que armazenam alimentos trazidos por familiares nas visitas. O freezer que foi apreendido havia sido levado para conserto e retornou “recheado” então da manutenção.

Conforme o titular da DP de Canela, a instalação do fundo falso no freezer foi bem-feita devido à colocação de chapas, rebites e pintura nova no revestimento. O delegado Vladimir Medeiros observou que o equipamento seria um dos quais os apenados têm acesso. “Interceptamos antes. Os presos não tiveram acesso”, destacou.

O flagrante ocorreu no âmbito de uma investigação contra o tráfico de drogas promovido por uma organização criminosa que age na cidade e que possui ramificação no interior do Presídio Estadual de Canela. Na casa prisional encontram-se recolhidas as lideranças do grupo criminoso investigado.

"A apreensão, além de evitar que todo o material ilícito chegasse às mãos dos presos, representa duro golpe financeiro às lideranças da organização criminosa investigada", destacou o delegado Vladimir Medeiros.

Já o delegado Gustavo Celiberto Barcellos, que responde pela 2ª Delegacia de Polícia Regional de Gramado (2ª DPRI), afirmou que a ação é resultado do trabalho de repressão qualificada contra o narcotráfico executado por meio de facções criminosas. De acordo com ele, a Polícia Civil atua na produção de provas materiais irredutíveis com objetivo de descortinar as ações destes grupos criminosos, onde quer que eles atuem.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895