Homem suspeito de ser mentor de chacina em Mostardas é preso pela Polícia Civil

Homem suspeito de ser mentor de chacina em Mostardas é preso pela Polícia Civil

Crime ocorrido em agosto de 2019 deixou cinco pessoas mortas

Correio do Povo

Ação com mandado judicial ocorreu ao amanhecer desta terça-feira em Balneário Pinhal

publicidade

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil anunciou na manhã desta terça-feira a prisão do responsável pela chacina ocorrida em agosto do ano do passado em Mostardas. Cinco pessoas foram mortas e outras quatro sobreviveram no crime cometido em uma boate na localidade de Solidão, distante cerca de 60 quilômetros da área central da cidade. As vítimas foram atingidas por tiros de calibres de pistola calibres 40 e 9 milímetros, além de espingarda calibres 12, disparados por um grupo de criminosos que invadiu a casa noturna na margem da RSC 101. 

Segundo o titular da Delegacia de Capturas do Deic, delegado Arthur Raldi, a ação foi desencadeada ao amanhecer no balneário Pinhal durante cumprimento de mandado de prisão preventiva. Houve a apreensão de uma espingarda calibre 12 com mais de dez cartuchos de munição.

O criminoso preso, de 34 anos, possui acusações por roubo de veículos, roubo de carga, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, associação criminosa, receptação de veículos roubados, entre outros delitos.ele era o último que faltava ser detido pelo crime. “Iniciamos uma investigação com o objetivo de encontrar o alvo, que era o último acusado ainda em liberdade, tendo identificado uma residência onde possivelmente ele estaria se escondendo. Sendo assim, dez policiais civis da Delegacia de Capturas cercaram a casa e localizaram o alvo, efetuando enfim sua prisão”, destacou.

Oito participantes da chacina, incluindo o responsável pelo crime, já tinham sido indiciados pelo Ministério Público por homicídios triplamente qualificados (por motivo torpe, em razão do tráfico de drogas e pela disputa de domínio de território, mediante emboscada e com uso de recurso que dificultou a defesa das vítimas).

Todos integram uma conhecida facção criminosa. Conforme a denúncia do MP, o líder permaneceu no lado de fora da boate em um veículo aguardando os demais para garantir a fuga de todos do local. Na fuga, ele também efetuou disparos em direção às vítimas.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895