capa

Onze paraguaios são resgatados em fábrica clandestina de cigarros em Montenegro

Estrutura ilegal movimentava mais de R$ 1,2 milhão por mês

Por
Correio do Povo

Trabalhadores estavam em situação análoga à escravidão

publicidade

A Polícia Civil fechou na quarta-feira uma fábrica clandestina de cigarros na localidade de Calafate, no interior de Montenegro, que movimentava mais de R$ 1,2 milhão por mês. Na ação, foram apreendidas mais de dez toneladas da mercadoria e descobertos 11 paraguaios trabalhavam em situação análoga à escravidão, sendo as vítimas resgatadas pelos agentes quando estavam confinadas em um alojamento.

Três indivíduos, incluindo dois paraguaios, foram presos por serem responsáveis pelo local. Além dos cigarros, os policiais civis da 1ª DP de Montenegro, sob coordenação do delegado Paulo Costa, recolheram fumo usado na fabricação dos cigarros,  e maquinário para produção, além de selos e documentos de origem paraguaia que serviam para parecer a marca original. Todo o material recolhido estaria avaliado em R$ 50 milhões. 

Há suspeita que a fábrica clandestina, escondida dentro de um galpão, estivesse funcionando desde 2013, conforme indicam as anotações encontradas pelos policiais civis e que mostram o planejamento de negócios para 2019. Os paraguaios resgatados relataram que chegaram encapuzados na propriedade para que não identificassem o caminho e efetuassem uma fuga. A Polícia Civil já acionou a Polícia Federal e a Receita Federal.