Pela segunda vez, Monique Medeiros deixa presídio no Rio após decisão do STJ

Pela segunda vez, Monique Medeiros deixa presídio no Rio após decisão do STJ

Mãe do menino Henry Borel teve liberdade concedida por ministro que afirmou não haver fundamentos para a manutenção da prisão

R7

publicidade

A mãe do menino Henry Borel, Monique Medeiros, deixou o Instituto Penal Santo Expedito, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, na tarde desta segunda-feira. Acusada de participar da morte do filho, a professora teve a liberdade concedida por uma decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) na última sexta.

O alvará de soltura de Monique foi expedido hoje pelo juiz Daniel Werneck Cotta, em cumprimento à determinação do ministro João Otávio de Noronha, da 5ª Turma do STJ), que acatou o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa da professora. Para Noronha, não há fundamentos para a manutenção da prisão da ré. Por falta de justificativa legal, a mãe de Henry irá responder ao processo por homicídio triplamente qualificado em liberdade.

Por outro lado, o magistrado manteve a prisão do ex-vereador Jairo Santos Souza Júnior, o Jairinho, ex-namorado de Monique e também acusado de matar Henry. De acordo com o ministro, o contra ele existem indícios diretos de participação na morte do menino.

Esta é a segunda vez que Monique deixa a cadeia desde que foi presa em abril de 2021. Um ano após ser detida, ela teve a liberdade provisória garantida pela juíza Elizabeth Machado Louro, após alegar que sofria ameaças no presídio.

Em junho deste ano, a professora voltou a ser presa em decorrência de uma decisão do desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto. Ao entrar na cadeia de Bangu, Monique chegou a dividir cela com a delegada Adriana Belém, mas um conflito entre as duas levou a mãe de Henry a ser encaminhada a uma cela especial.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895