Polícia Civil descobre e fecha fábrica clandestina de placas automotivas em Alvorada

Polícia Civil descobre e fecha fábrica clandestina de placas automotivas em Alvorada

Veículos eram roubados sob encomenda e depois tinham sinais identificadores adulterados

Correio do Povo

Houve o recolhimento de dezenas de placas automotivas e documentos falsificados, tarjetas, insumos e maquinários

publicidade

Uma fábrica clandestina de placas automotivas e de clonagem de veículos roubados foi “estourada” na manhã desta quarta-feira pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil em Alvorada. A operação ocorreu no bairro Jardim Algarve. As investigações, que duraram oito meses, foram conduzidas pela Delegacia de Roubos de Veículos do Deic, sob comando dos delegados Rafael Liedtke e Marco Guns.

Os mandados judiciais, somando 12 mandados de busca e apreensão, foram cumpridos em Alvorada, Porto Alegre, Canoas e Viamão, além da Lagoa da Conceição, na Ilha de Florianópolis, em Santa Catarina. Houve o recolhimento de duas motocicletas, dezenas de placas automotivas e documentos de porte obrigatório falsificados, tarjetas, maquinários e insumos utilizados para produção das placas e adulteração de numerações dos veículos roubados. Três prisões foram efetuadas.

A organização criminosa é investigada por roubos de veículos na Capital e Região Metropolitana, adulteração de sinais identificadores como placas modelo Mercosul, receptação, uso de documentos falsos e porte ilegal de armas.

Segundo os delegados Rafael Liedtke e Marco Guns, o trabalho investigativo começou quando os agentes prenderam um criminoso, de 37 anos, com extensa ficha, com um veículo de placas clonadas que trafegava em Viamão. O carro havia sido roubado em Porto Alegre. Na ocasião, os policiais civis recolheram também placas automotivas falsificadas, tarjetas, lacres de placas e ferramentas para adulteração de sinais identificadores.

O trabalho investigado foi aprofundado e apurou a existência de um verdadeiro esquema criminoso no qual os veículos eram roubados sob encomenda. Depois ocorria a clonagem desses automóveis subtraídos, sendo adulterados os sinais identificadores e falsificadas as placas modelo Mercosul. Os lucros auferidos seriam divididos por todos integrantes da organização criminosa de acordo com a tarefa realizada por cada um deles.

Em Florianópolis, a operação teve apoio da Delegacia de Roubo de Veículos da Diretoria Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de Santa Catarina, coordenada pelo delegado Rodrigo Bortolini.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895