Polícia Federal deflagra operação contra fraudes no auxílio emergencial e precatórios judiciais

Polícia Federal deflagra operação contra fraudes no auxílio emergencial e precatórios judiciais

Ação da PF ocorreu no Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará e Minas Gerais

Correio do Povo

Houve o cumprimento de 98 ordens judiciais contra organização criminosa que se apossou de R$ 14,3 milhões

publicidade

A Polícia Federal deflagrou ao amanhecer desta quarta-feira a operação Et Caterva com o objetivo de combater fraudes no auxílio emergencial e precatórios judiciais no Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará e Minas Gerais. O alvo é uma organização criminosa que teria obtido cerca de R$ 14,3 milhões com os golpes.

Cerca de 300 agentes foram mobilizados para cumprir 77 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens, 12 mandados de prisão e nove medidas de suspensão do exercício da função pública. As 98 ordens judiciais foram expedidas pela 5ª Vara Federal da Seção Judiciária de Cuiabá. A investigação teve total apoio da Caixa Econômica Federal.

Conforme a Polícia Federal, os criminosos obtiveram mais de R$ 13 milhões em precatórios judiciais. Houve ainda a tentativa de saques de R$ 2,7 milhões em várias regiões do país. A investigação apontou que a organização criminosa cooptava servidores da instituições bancárias que forneciam informações sobre precatórios à disposição para saque. O grupo investigado inclui advogados e funcionários públicos.

O esquema criminoso ocorria através da confecção de documentos falsos – forjados com os dados dos beneficiários dos precatórios e as fotografias dos estelionatários – usados nos bancos para os saques. O dinheiro sacado era pulverizado depois em diversas contas para ocultar a origem ilícita.

Após a interrupção temporária do pagamento de precatórios pela Caixa Econômica Federal em 2020, a organização criminosa passou a cometer fraudes com as parcelas do auxílio emergencial. Houve aproximadamente 1.570 saques do benefício, entre os meses de abril de 2020 e março de 2021, resultando em um prejuízo superior a R$1,3 milhão.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895