Policial suspeito de matar Leandro Lo já havia sido condenado por agredir PM em balada de SP

Policial suspeito de matar Leandro Lo já havia sido condenado por agredir PM em balada de SP

Henrique Otávio Oliveira Velozo estava em regime aberto desde 20 de julho, segundo TJM. Ele vai para o presídio Romão Gomes

R7

Caso corre em segredo de Justiça, segundo o TJ-SP

publicidade

O TJM (Tribunal de Justiça Militar) confirmou que o policial militar Henrique Otávio Oliveira Velozo, acusado de atirar e matar o lutador de jiu-jítsu Leandro Lo Pereira do Nascimento, de 33 anos, na madrugada de domingo (7), cumpria pena em regime aberto desde 20 de julho por agredir um PM durante uma confusão em uma balada na zona oeste de São Paulo.

Henrique Velozo passou por audiência de custódia na tarde desta segunda-feira (8) no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da capital, e o juiz entendeu que ele deve permanecer preso pelo crime.

O lutador teve morte cerebral após ser baleado na cabeça durante um show no Esporte Clube Sírio, na zona sul de São Paulo.

Segundo a mãe da vítima, Fátima Lo, o tenente da PM suspeito de efetuar os disparos também era lutador de jiu-jítsu e conhecia a vítima. Os familiares suspeitam que Henrique tinha a intenção de provocar Leandro e agiu de forma premeditada.

Condenação por agressão

Segundo documento do TJM, o policial estava de folga quando agrediu com socos o companheiro de farda Flávio Alves Ferreira, que trabalhava na madrugada de 27 de outubro de 2017, data do ocorrido.

Henrique Velozo e o primo Iury Oliveira Nascimento frequentavam a casa noturna "The Week". Um grupo de sete pessoas começou a discutir com Iury e, em determinado momento, partiram para cima da vítima e de Henrique, sendo que ambos ficaram feridos.

Todos os envolvidos foram expulsos da balada e a Polícia Militar acionada. O policial Flávio Alves Ferreira, que estava atendendo a ocorrência, se afastou com o braço de Henrique, que desferiu um soco no rosto dele. O policial de folga, que aparentava estar embriagado, também desacatou outros policiais no local.

Em 15 de setembro de 2020, Henrique foi julgado e absolvido em primeira instância, uma vez que as agressões não estavam evidentes no corpo de Flávio. Porém, ele foi julgado em segunda instância após uma apelação do Ministério Público de São Paulo, desta vez com vídeos que comprovavam as agressões.

O policial foi condenado a cumprir nove meses de regime aberto, que começaram a ser cumpridos em 20 de julho deste ano.

Nota PM

Em nota, "a Polícia Militar lamentou o trágico desfecho e se solidarizou com os familiares de Leandro Pereira do Nascimento".

O policial militar envolvido na ocorrência estava de folga e se apresentou, acompanhado de um advogado, à Corregedoria. Ele foi escoltado ao 17ºDP, no Ipiranga, para depoimento e ficará no Presídio Romão Gomes para cumprimento da prisão preventiva.

Enterro

O corpo de Leandro Lo Pereira é velado nesta segunda-feira (8), no Cemitério do Morumby, na zona sul de São Paulo. O enterro será no mesmo local às 16h.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895