Presos na Argentina dois criminosos da maior quadrilha de ataque a banco do RS

Presos na Argentina dois criminosos da maior quadrilha de ataque a banco do RS

Irmãos Lopes são responsáveis por ao menos 12 ataques a agências em 2017

Correio do Povo

Irmãos foram presos pela Polícia de Misiones na Argentina

publicidade

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil anunciou, nesta sexta-feira, a captura de dois perigosos criminosos, conhecidos como Irmãos Lopes, que integravam a maior quadrilha de ataques a bancos, com uso de explosivos em atividade no Rio Grande do Sul.

A dupla foi presa na quarta-feira na Argentina. Segundo a Polícia, eles estavam em uma casa rural na localidade rural distante 32 quilômetros da região de El Soberbio. A detenção foi realizada por policiais argentinos da Província de Missiones, após serem acionados pelo delegado Joel Wagner, da 1ª Delegacia de Polícia de Repressão a Roubos do Deic, que ficou com a equipe no lado gaúcho da fronteira.

A mulher de um dos bandidos também foi capturada. Houve a apreensão de fuzil, pistola, espingarda, munição, explosivos, dois coletes balísticos, cinco celulares, cinco caminhonetes roubadas e R$ 6 mil em dinheiro.

O delegado Joel Wagner explicou que, logo após os ataques a bancos no Estado, os Irmãos Lopes fugiam sempre para a Argentina.  Ele acredita que a região de El Soberbio pode ter sido escolhida por abrigar muitos gaúchos do Vale do Taquari, observando que os dois irmãos são de Lajeado.

Segundo o delegado Joel Wagner, a organização criminosa é responsável por 12 ataques já identificados em 2017, sendo dpos em Progresso, dois Espumoso, além de uma vez em Pouso Novo, Boqueirão do Leão, Boa Vista do Buricá, Encruzilhada do Sul, Gramado Xavier, Bom Retiro do Sul, Tabaí e São José do Herval. Os alvos eram sempre agências do Banrisul, Banco do Brasil ou Sicredi.

Em vários casos, os criminosos mantiveram reféns como “escudos humanos” para impedir a aproximação policial. O delegado Joel Wagner acredita que o número de ataques pode ser maior do que 12 pois a quadrilha estaria agindo desde 2014. O líder do grupo é o foragido Ganso Baio, que está na lista dos mais procurados do Deic.

Um dos Irmãos Lopes, de 37 anos, havia sido resgatado do presídio por cúmplices em 26 de junho deste ano. Ele simulou um problema cardíaco no Presídio Estadual de Lajeado, sendo levado de ambulância à Unidade de Pronto Atendimento. No local, os agentes penitenciários foram alvos de tiros e um foi rendido, sendo então libertado o bandido.

De acordo com o delegado, a partir daquela época foram intensificados os ataques com explosivos contra caixas eletrônicos e cofres de agências bancárias no RS, muitas invadidas ao mesmo tempo em uma cidade.  Durante as investigações, outro integrante importante da quadrilha foi preso. Trata-se de Piuí, que foi localizado em 29 de setembro, em Estrela, com a detenção efetuada então pela Brigada Militar a pedido do Deic.

Os agentes descobriram ainda um dos esconderijos do bando em um sítio em Veranópolis. O trabalho investigativo, realizado pelos delegados Joel Wagner e João Paulo de Abreu, prossegue para prender os demais integrantes do grupo ainda foragidos. A expectativa agora é de que os ataques com explosivos tenham uma significativa queda apesar da existência de outras quadrilhas que atuam neste tipo de crime.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895