Primeiro lugar nacional em identificações de perfis genéticos é comemorado pelo IGP

Primeiro lugar nacional em identificações de perfis genéticos é comemorado pelo IGP

Posição consta do último balanço do Banco Nacional de Perfis Genéticos do Ministério da Segurança Pública

Correio do Povo

Equipe altamente especializada atua em moderno laboratório e possui banco de dados de DNA de corpos e ossadas

publicidade

O Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul comemora o Dia Nacional da Ciência, neste 8 de julho, com a notícia de que novamente ficou em primeiro lugar no ranking de matches, termo usado quando o perfil armazenado é compatível com o material doado por familiares. A posição consta do último balanço do Banco Nacional de Perfis Genéticos (BNPG), divulgado em 15 de junho passado. Houve 28 identificações humanas proporcionadas pelo trabalho do laboratório do IGP/RS.

No total, a instituição gaúcha inseriu 775 perfis, entre material genético de ossadas não identificadas, de familiares à procura de desaparecidos e de pessoas de identidade desconhecida. Quando considerado o número total de perfis genéticos inseridos no BNPG, incluindo dados de condenados que cumprem pena no sistema penitenciário  e dos vestígios criminais encontrados em cenas de crime, o IGP/RS é o terceiro mais bem colocado no ranking nacional de inserções, com 5.658 perfis armazenados.

O BNPG é uma estrutura ligada ao Ministério da Segurança Pública, que coordena a quantidade de perfis inseridos e de matches. A cada seis meses são divulgados os dados coletados em todo o país. Em segundo lugar ficou Santa Catarina, com sete casos. Além de possibilitar a identificação de cadáveres e a solução de casos de desaparecimento para as famílias, o BNPG também é uma importante ferramenta de combate ao crime. O DNA armazenado pode ser comparado com amostras colhidas em locais de crime ou junto às vítimas, fornecendo a prova pericial necessária para incriminar ou inocentar um acusado.

Desde 2011, o IGP/RS possui um banco de perfis genéticos que armazena o perfil genético de todos os corpos e ossadas que chegam ao Departamento Médico-Legal e que não são identificados ou reclamados por familiares. Essas amostras são confrontadas toda a vez que um familiar de desaparecido fornece material biológico para comparação.

Semanalmente, os perfis genéticos armazenados são também incluídos no BNPG, permitindo que a busca por pessoas desaparecidas ocorra a nível nacional. Para a diretora-geral do IGP/RS, Heloisa Kuser, o trabalho desenvolvido é fundamental para sociedade gaúcha. “Aquela ciência e tecnologia que até pouco tempo só se via em filmes e seriados já está em uso no IGP, que tem se destacado no cenário nacional na produção dos mais complexos tipos de provas”, afirmou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895