Quadrilha que furtava caminhões em cidades gaúchas começa a ser desmantelada pela Polícia Civil

Quadrilha que furtava caminhões em cidades gaúchas começa a ser desmantelada pela Polícia Civil

Um guincho era usado pelos criminosos para rebocar os veículos sem despertar a atenção

Correio do Povo

Seis mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão foram cumpridos em São Leopoldo e Novo Hamburgo

publicidade

Uma quadrilha especializada em praticar furtos de caminhões em todo o Rio Grande do Sul está sendo desarticulada pela Polícia Civil. A investigação é realizada pelas Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de São Leopoldo e de Lajeado, junto com as DPs de Serafina Corrêa e Lajeado. Os agentes cumpriram na manhã desta terça-feira seis mandados de busca e apreensão e outros dois mandados de prisão temporária nos bairros Campina e Scharlau, em São Leopoldo, e nos bairros Lomba Grande e Santo Afonso, em Novo Hamburgo. Três criminosos foram presos.

O trabalho investigativo apurou que recentemente a quadrilha praticou furtos de caminhão em Lajeado, Encantado, Serafina Corrêa e Venâncio Aires. Um guincho recolhia os veículos e servia para não chamar a atenção quando rebocava-os. O modo de atuação do bando era sempre o mesmo tendo como vítimas as empresas do ramo da construção civil e de estruturas. Os criminosos faziam um reconhecimento do local do furto previamente e escolhiam os veículos que tinham o guindaste conhecido como munck, Com chave micha, eles arrombavam e levavam embora os veículos puxados por guinchos. Logo após os furtos, os criminosos efetuavam contato com as vítimas e exigiam resgate para devolverem os veículos subtraídos. Em caso de não pagamento, os veículos ou os guindastes retirados deles eram vendidos em Santa Catarina.

Os policiais civis constataram também que a quadrilha usava roupas características de motoristas do ramo, como faixas refletivas. O bando agia sempre em três ou quatro indivíduos. Os veículos utilizados para reconhecimento e transporte dos criminosos no dia do crime eram locados em nome de uma mulher, que possui uma empresa do ramo de transporte e guincho junto com seu companheiro, sediada em São Leopoldo. O casal está entre os presos e foi localizado no bairro Campina, em São Leopoldo. A investigação tem apoio ainda da DP de Encantado e da DP de Guaporé.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895