Servidor penitenciário é morto e outro fica ferido em uma ação de resgate de preso em Caxias do Sul

Servidor penitenciário é morto e outro fica ferido em uma ação de resgate de preso em Caxias do Sul

Confronto ocorreu na madrugada desta segunda-feira na UPA Zona Norte

Correio do Povo

Fuga ocorreu em um Volkswagen Passat que aguardava no estacionamento

publicidade

Um servidor penitenciário foi morto e outro ficou ferido gravemente durante uma ação de resgate de um apenado, integrante da facção criminosa Os Manos, na madrugada desta segunda-feira em Caxias do Sul, na Serra. Duas enfermeiras e um vigia do posto de saúde também foram baleados e tiveram ferimentos.

A vítima fatal foi identificada como o agente da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), Clóvis Antônio Ronan, de 54 anos. Já o colega ferido tem 42 anos.

O ataque ocorreu pouco antes das 3h30min no interior da Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas Zona Norte (UPA Zona Norte), situada na rua João Gregório Paniz, no bairro Centenário.

Três criminosos fortemente armados, alguns se passando por policiais civis e com coletes balísticos, invadiram o local. Eles confrontaram-se com os dois dos quatro agentes que faziam a escolta e custódia do detento, de 29 anos, vulgo Mig, oriundo da cela 36 da Galeria B da Penitenciária Estadual de Caxias do Sul, durante atendimento médico.

 

Atirador foi flagrado por câmeras / Foto: Record TV RS / Reprodução / CP 

Imagens de câmeras de monitoramento registraram o tiroteio em um corredor do posto de saúde e ainda a fuga dos bandidos no estacionamento. Diante da reação dos agentes, os três criminosos fugiram em um Volkswagen Passat, de cor prata, onde um quarto cúmplice aguardava-os. O apenado, que seria resgatado, aproveitou e escapou por conta própria em seguida, após se apossar da arma de um dos agentes baleados e atirar no outro.

Logo após a fuga, a Susepe e a Brigada Militar foram mobilizadas na ocorrência. Policiais militares do 12º BPM realizaram buscas na cidade. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também foi acionado para o atendimento dos feridos.

O Instituto-Geral de Perícias compareceu no posto de saúde que foi fechado e isolado. Já a Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) da Polícia Civil investiga o ataque.

Luto 

A Amapergs Sindicato divulgou nota oficial de pesar. “Falta-nos palavras!”, declarou a entidade de classe. “No exato momento em que o governo finge que qualquer um pode fazer o nosso serviço, desvalorizando nossa tão estressante atividade de segurança, ocorre uma tragédia dessas”, manifestou-se. “Siga em paz guerreiro, nem podemos acreditar em tamanha tragédia há tão poucas horas! A família Susepe está de luto!”, concluiu no comunicado. A entidade de classe defendeu aumento do efetivo na Susepe e emprego de armamento mais pesado por parte dos servidores penitenciários.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895