Alckmin rebate suposto favorecimento de familiares em processo de desapropriação

Alckmin rebate suposto favorecimento de familiares em processo de desapropriação

Candidato do PSDB criticou ainda o "populismo" do PT e Bolsonaro

AE

Geraldo Alckmin em campanha neste final de semana

publicidade

O candidato à Presidência, Geraldo Alckmin (PSDB), criticou a matéria do jornal Folha de S. Paulo que afirma que ele teria assinado, enquanto governador do Estado, dois decretos que beneficiaram familiares e que renderam R$ 3,8 milhões a eles em um processo de desapropriação para a construção de uma rodovia em São Roque, a 70 quilômetros da capital.

"Uma das matérias mais injustas e inverídicas que já vi. Nenhum parente meu tem propriedade (na região). Um sobrinho da dona Lu foi casado com uma pessoa da região, em separação completa de bens, ela que tinha (propriedades). Não são mais casados", explicou. " O governo não pagou um centavo, quem pagou foi o consórcio e quem definiu o valor foi a Justiça."

Segundo a reportagem publicada neste domingo, os decretos assinados por Alckmin resultaram na desapropriação de imóveis de propriedade de Othon Cesar Ribeiro e Juliana Fachada Cesar Ribeiro. Othon é filho de Adhemar Ribeiro, irmão da esposa do tucano, Dona Lu.

O tucano fez uma caminhada na manhã deste domingo no Campo Limpo, bairro da periferia da zona Oeste da capital. Depois, visitou um evento organizado pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA). Em ambos os locais, cumprimentou as pessoas e posou para fotos.

Crítica ao "populismo" do PT e a Bolsonaro 

Pelo Twitter, Alckmin voltou a criticar o PT e também Jair Bolsonaro, candidato do PSL. Em uma primeira mensagem, disse que o "Brasil não aguenta mais o populismo de esquerda do PT, que levou a 13 milhões de desempregados, nem o populismo de direita do Bolsonaro, que não tem a menor condição de fazer o Brasil se recuperar". Logo depois, Alckmin afirmou que fará "um grande esforço para ir para o segundo turno, porque nós podemos derrotar o PT". "No segundo turno, Bolsonaro perde para o PT, como perde para qualquer candidato", afirmou o ex-governador de São Paulo.

Por fim, o candidato do PSDB atribuiu o crescimento do radicalismo ao PT e afirmou que não é assim que o País voltará a crescer. "O PT, como sempre trabalhou para criar o 'nós contra eles', acabou criando radicais do outro lado. E não é com radicalismo que vamos crescer. Não vamos atender as pessoas nos hospitais à bala, construir creches à bala, trazer investimentos e gerar empregos à bala", escreveu Alckmin.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895