Após alta, Bolsonaro sinaliza que poderá vetar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Após alta, Bolsonaro sinaliza que poderá vetar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Presidente criticou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), por "atropelar" a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias

AE

Para o presidente Jair Bolsonaro, com o valor de R$ 6 bilhões, daria para recapear grande parte da malha rodoviária do País

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou neste domingo que pode vetar o fundo eleitoral de cerca de R$ 6 bilhões para as eleições 2022, aprovado nesta quinta-feira (15) pelo Congresso Nacional, no âmbito da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Ao receber alta, Bolsonaro afirmou na saída do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde ficou internado para tratar uma obstrução intestinal, que o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), atropelou a votação da LDO.

"Eu sigo a minha consciência, sigo a economia e a gente vai buscar um bom sinal para isso tudo aí. Afinal de contas, eu já antecipo, R$ 6 bi pra fundo eleitoral, para financiamento de campanhas, pelo amor de Deus", afirmou.

De acordo com o presidente, Ramos, que presidia a sessão, "passou por cima" e não pôs em votação um destaque à redação da LDO que alteraria o texto para suprimir a previsão de reajuste do fundo eleitoral. 

"Então, num projeto enorme, alguém botou lá dentro essa casca de banana, essa jabuticaba. O Parlamento descobriu, foi tentando destacar para que a votação fosse nominal. Essa questão, o presidente Marcelo Ramos, do Amazonas... Pelo amor de Deus o estado do amazonas ter um parlamentar como esse, pelo amor de Deus", afirmou.

O presidente disse também que os parlamentares são acusados injustamente de ter votado a favor do "fundão". Para o presidente, com o valor de R$ 6 bilhões, daria para recapear grande parte da malha rodoviária do País ou concluir as obras que levam água para o Nordeste.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895