Após decreto do governo do RS, Melo avisa que irá defender sistema de cogestão contra a Covid-19

Após decreto do governo do RS, Melo avisa que irá defender sistema de cogestão contra a Covid-19

Prefeito de Porto Alegre quer manter a cidade aberta e coibir as aglomerações

Correio do Povo

Após decreto do governo do RS, Melo avisa que irá defender sistema de cogestão contra a Covid-19

publicidade

Após a divulgação do decreto com a suspensão geral de atividades no Rio Grande do Sul por conta do avanço da contaminação do novo coronavírus, o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, se pronunciou neste sábado e afirmou que irá defender a manutenção do Plano de Cogestão Regional no sistema do Distanciamento Controlado. 

"Fiz vários contatos com o setor empresarial, também com o setor da Saúde, com o nosso comitê do Covid-19, com membros do governo do Estado e com prefeitos de cidades da Grande Porto Alegre. Nós entendemos que não foi a abertura responsável dos negócios nas cidades a causadora dos aumentos das internações nas UTIs. A nossa posição é de não fechar a Capital, mas combater as irresponsabilidades das festas clandestinas, dos bares que permitem aglomerações, as praias que precisam ser mais cuidadas. Não podem os comerciantes, que pagam impostos, que dão emprego, que trabalham com distanciamento e máscara serem responsáveis por esta conta. Por isso a nossa conversa com o governador será no sentido de manter a cidade aberta, mas combatendo essas irresponsabilidades, porque saúde e economia devem andar de mãos dadas", disse Melo em pronunciamento. 

O decreto do governo do Estado prevê que as normas municipais que conflitem com as determinações do documento estão suspensas. Ou seja, a suspensão geral de atividades vale para todo o Estado, inclusive em região que estão em bandeira vermelha e em áreas que aderiram ao sistema de cogestão regional. A medida valerá, pelo menos, até o dia 2 de março. 

A fala de Melo coincide com a manifestações do Sindilojas e da Câmara dos Dirigentes Lojistas, que temem um fechamento total das atividades. 

 

 

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895