Araújo recebeu carta da Pfizer e diz não ter comunicado Bolsonaro

Araújo recebeu carta da Pfizer e diz não ter comunicado Bolsonaro

Ex-ministro disse que pensou que presidente já sabia das ofertas de 70 milhões de doses, feitas ainda em 2020

R7

Ex-ministro das Relações Exteriores presta depoimento à CPI da Covid nesta terça-feira

publicidade

O ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, confirmou nesta terça-feira (18), em seu depoimento na CPI da Covid, que recebeu a carta da Pfizer cobrando o governo por respostas às ofertas de vacinas, mas que não avisou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) do documento. 

"Tive conhecimento do tema, e o telegrama de Washington também esclarecia que a própria embaixada em Washington já havia antecipado também para a assessoria internacional do ministério da Saúde", respondeu ao senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele então foi interrompido pelo parlamentar, que o perguntou se ele não comunicou Bolsonaro por pensar que o mandatário já sabia da carta. "Porque eu presumia que o presidente da República já soubesse", confirmou Araújo.

Veja Também

A carta, escrita pelo presidente da Pfizer, Albert Bourla, foi enviada em setembro de 2020 ao presidente Jair Bolsonaro, com cópia para o vice-presidente, Hamilton Mourão, o então ministro da Casa Civil, Braga Netto, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Foster.

Conforme mostrou reportagem do R7, a embaixada do Brasil em Washington, nos EUA, comunicou oficialmente o Itamaraty ainda em 15 de setembro de 2020 sobre a carta enviada pela Pfizer, no dia 12 daquele mês.

Na mensagem, a farmacêutica relembrou as ofertas feitas um mês antes, em agosto de 2020, por 70 milhões de doses. O telegrama da embaixada, que Araújo recebeu, pontua trechos da carta onde a Pfizer fala que a rapidez do governo para fechar o contrato seria "crucial" para garantir as doses ainda em 2020, devido à alta demanda de outros países que já negociavam com a farmacêutica.

O documento se soma às revelações na CPI do ex-secretário Especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, e do gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. Os dois convocados afirmaram que o governo não respondeu às ofertas da farmacêutica, enviadas desde agosto de 2020.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895