Bolsonaro diz que irá para a posse de Javier Milei, presidente eleito da Argentina

Bolsonaro diz que irá para a posse de Javier Milei, presidente eleito da Argentina

Os dois são ideologicamente próximos e um fez campanha para o outro em 2022 e 2023

AE e AFP

publicidade

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta segunda-feira, 20, que recebeu uma ligação do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, que o convidou para a sua posse. Os dois são ideologicamente próximos e um fez campanha para o outro em 2022 e 2023.

Neste domingo, Milei derrotou o peronista Sergio Massa, candidato do governo abertamente apoiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e seus correligionários.

"Você tem um trabalho muito grande pela frente. O trabalho vai pra fora da Argentina. Você representa muito pra nós democratas e amantes da liberdade", disse emocionado o ex-presidente durante a chamada de vídeo, compartilhada em suas redes sociais e na qual também participou seu filho Eduardo.

"Você representa muita coisa para o Brasil", acrescentou Bolsonaro, que no domingo havia declarado na rede X (antigo Twitter) que com Milei, "a esperança volta a brilhar na América do Sul".

Na videoconferência, o presidente eleito da Argentina agradeceu as palavras de Bolsonaro e o convidou, junto a seu filho Eduardo, para a posse no dia 10 de dezembro: "Para mim seria uma honra enorme".

"Iremos", respondeu Jair, que governou o Brasil entre 2019 e 2022.

Bolsonaro se colocou à "disposição" do presidente eleito argentino. "Deus vai te iluminar, vai te proteger, você fará um bom governo para o bem de nossos países", disse.

O ex-presidente brincou que a vitória de Milei chegou a balançar sua torcida no futebol.

"Estou quase torcendo pela Argentina", disse, sobre a partida entre a atual campeã mundial contra o Brasil na próxima terça-feira (21), pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2026.

O libertário Milei venceu Sergio Massa por mais de dez pontos porcentuais: o candidato vitorioso fez 55,6% dos votos, enquanto o governista fez 44,3%.

O herdeiro do peronismo foi diretamente ajudado pelo governo brasileiro: além da cessão de marqueteiros que trabalharam na campanha de Lula, o Estadão revelou que um empréstimo concedido à Argentina teve o objetivo de favorecer Massa, que é ministro da Economia da atual gestão, encabeçada por Alberto Fernández, que é próximo ao PT.

No domingo, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, desejou "boa sorte e êxito" ao novo governo argentino, em uma publicação no X em que não menciona Milei.

"A Argentina é um grande país e merece todo o nosso respeito. O Brasil sempre estará à disposição para trabalhar junto com nossos irmãos argentinos", escreveu Lula.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895