Boulos pede prisão de Temer e projeta governar com apoio de plebiscitos

Boulos pede prisão de Temer e projeta governar com apoio de plebiscitos

Candidato à Presidência também defendeu indulto à Lula durante sabatina na Record TV

AE

Candidato à Presidência também defendeu indulto à Lula durante sabatina na Record TV

publicidade

O candidato à Presidência pelo Psol, Guilherme Boulos, defendeu nesta quinta-feira, em sabatina à Record TV, a prisão do presidente Michel Temer e a concessão de indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a outros “presos com condenação injusta”. Ele também salientou que pretende governar com plebiscitos e consultas populares para pressionar o Congresso.

• Assista na íntegra a entrevista

“Indulto é algo previsto na Constituição para corrigir erros da Justiça. O caso de Lula é uma condenação injusta, como também o caso do Rafael Braga, que foi preso com pinho sol na mochila”, afirmou Boulos, na entrevista. “Não só isso, ajudaria a colocar na cadeia quem não está, e o Michel Temer é um deles.”

Para ele, a realização de consultas populares é uma saída para conquistar o apoio da população, que ajudaria a pressionar o Congresso. Ele afirmou ainda acreditar na renovação do Parlamento nas eleições deste ano. “O povo vai saber renovar. Podemos ter um Congresso menos desmoralizado que este”, disse.

O candidato se esquivou ainda de comentar sobre o regime de Nicolás Maduro na Venezuela. “Sou candidato a presidente do Brasil, não da Venezuela”, frisou.

Economia

Nas propostas econômicas, o candidato do PSOL afirmou a necessidade de ampliar o investimento em gasto público em infraestrutura e prometeu ainda a criação de seis milhões de novos postos de trabalho em dois anos. “Para conseguir dinheiro para fazer isso, nós vamos atacar privilégios. A gente também vai taxar grandes fortunas e realizar uma reforma tributária, porque não dá mais quem tem iate e jatinho não pagar imposto”, afirmou.

Sabatina na Record TV
• Bolsonaro diz querer desonerar folha

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895