Confirmada a invasão de celular do ex-ministro Henrique Meirelles
capa

Confirmada a invasão de celular do ex-ministro Henrique Meirelles

Ex-integrante do TSE Luciana Lóssio também teria sido alvo de hacker

Por
AE

Henrique Meirelles também teve celular invadido por hackers

publicidade

O secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo e ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também foi alvo do hacker Walter Delgatti Neto, que disse à Polícia Federal ter invadido mensagens do aplicativo Telegram de autoridades, entre elas o presidente Jair Bolsonaro. Meirelles confirmou ter recebido mensagem do Telegram sobre a invasão. "Tomei a providência de desligar todas as sessões que não são do celular que eu estava usando. O episódio não se repetiu", disse o ex-ministro. 

O jornal O Estado de S. Paulo teve acesso a uma lista de 60 nomes de políticos, autoridades da área da Justiça e celebridades que estavam organizados em "pastas" na área de trabalho do computador do hacker. Esse material está sendo analisado pela perícia da PF.

A ex-ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Luciana Lóssio também estava na lista. À reportagem, ela disse que ficou surpresa. "Minha vida é um livro aberto." Na lista de possíveis vítimas, também está a youtuber Dora Figueiredo, de 25 anos, que ficou espantada ao ser informada, pela reportagem, que seu nome estava no computador de Delgatti Neto. Ela afirmou que instalou o Telegram no celular, mas nunca o utilizou.

A operação Spoofing, deflagrada pela Polícia Federal, prendeu quatro pessoas suspeitas de terem realizado a invasão. O grupo, que a PF define como "quadrilha", foi preso em regime temporário na última terça-feira, por ordem da 10ª Vara Federal de Brasília. Na semana passada, o magistrado prorrogou por mais cinco dias a temporária dos quatro investigados.