Coronavírus não é isso tudo que grande mídia propaga, diz Bolsonaro
capa

Coronavírus não é isso tudo que grande mídia propaga, diz Bolsonaro

Doença já infectou mais de 105 mil pessoas ao redor do mundo

Por
AE

Bolsonaro minimizou impacto do coronavírus

publicidade

Um dia depois de os mercados financeiros ao redor do mundo registrarem perdas históricas, o presidente da República, Jair Bolsonaro, negou nesta terça-feira que haja uma crise, culpou a imprensa pela situação e disse que "muito do que falam é fantasia". "Muito do que tem ali é muito mais fantasia, a questão do coronavírus, que não é isso tudo que a grande mídia propaga", disse Bolsonaro em evento em Miami, nos Estados Unidos.

Na segunda-feira, ele já havia dito que a disseminação da doença estava "superdimensionada". O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também tem minimizado o coronavírus. Segundo fontes presentes ao jantar entre Trump e Bolsonaro em Mar-a-Lago no sábado, os dois conversaram sobre a disseminação do vírus e estimaram que até o final de abril haverá uma melhora na situação.

Ao redor do mundo há 105.586 casos de coronavírus confirmados em 97 países, e 3.584 mortes. Nos EUA, há mais de 600 casos confirmados e na Flórida, onde Bolsonaro está, duas pessoas morreram. "Alguns da imprensa conseguiram fazer de uma crise a queda do preço do petróleo (.) É melhor cair 30% do que subir 30%. Mas isso não é crise. Obviamente, problemas na Bolsa, isso acontece esporadicamente. Como estamos vendo agora há pouco, as bolsas hoje já começam com sinais de recuperação", afirmou nesta manhã em evento a empresários.

A segunda-feira foi caótica para os mercados financeiros, com a disseminação do coronavírus e a violenta queda nos preços de barris de petróleo, em uma disputa de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia. As ações de empresas negociadas na B3 tiveram a maior perda de valor em um único dia desde o início do Plano Real, em 1994. A Bovespa teve de acionar o circuit breaker e a bolsa de Nova Iorque também teve interrupção temporária nas negociações ao longo do dia.

Cide

Nesta terça, Bolsonaro voltou a negar que o governo possa aumentar o tributo federal sobre combustíveis, a Cide. "Zero, zero, não existe isso (sobre aumento da Cide). A política que a Petrobras segue é a de preços internacionais, então a gente espera, obviamente, não como presidente mas como cidadão, que o preço caia nas refinarias e seja repassado ao consumidor na bomba", afirmou o presidente.

"Livre comércio" com os EUA

Bolsonaro falou sobre o jantar com Trump e disse que o norte-americano está disposto a "buscar o livre comércio". "Discutimos questões pontuais, como é do interesse americano, etanol e carne de porco. Pedi para ele para que nós deixássemos questões pontuais e discutíssemos de forma mais ampla. Ele concordou. Então nossas assessorias vão começar a discutir livre comércio mais amplo com EUA", afirmou o presidente brasileiro.

Os dois países estão desde o ano passado negociando acordos pontuais de liberalização de comércio - o que não envolve negociação sobre tarifas, portanto não se caracteriza como um acordo de livre comércio. No jantar, as conversas confirmaram o interesse de formular um pacote de medidas para facilitar negociações entre os dois países.