Defesa de Carús protocola pedido de licença da vereança de Porto Alegre

Defesa de Carús protocola pedido de licença da vereança de Porto Alegre

Investigações levaram à prisão do parlamentar neste começo de semana

Samantha Klein

Gabinete foi alvo de investigadores

publicidade

A defesa do vereador André Carús vai protocolar, na manhã desta quarta-feira, o pedido de licença do cargo legislativo. Responsável pela defesa de Carús, o advogado Jader Marques informa que a medida tomada por seu cliente tem como objetivo de afastar qualquer suspeita de que ele possa interferir nas investigações em andamento e reafirma seu compromisso de colaborar com o inquérito.

O delegado responsável pela investigação do caso que envolve Carús, Max Otto Ritter, também deveria pedir o afastamento do emedebista do mandato. A solicitação, se houver provas de que Carús coagia os funcionários a entregar dinheiro para ele ou para seu mandato, seria encaminhada ao Ministério Público. A defesa do vereador se antecipou e protocolou seu pedido de licença do assento legislativo.

O advogado informou que a medida tomada por seu cliente tem como objetivo de afastar qualquer suspeita de que ele possa interferir nas investigações em andamento e reafirma seu compromisso de colaborar com o inquérito. "A defesa acrescenta que o vereador mantém firme seu propósito de esclarecer integralmente os fatos, provando sua inocência. "

Depoimentos

Todos os funcionários do gabinete de Carús estão sendo ouvidos após a deflagração da operação Argentários. Servidores da instituição de crédito também prestarão depoimento. O parlamentar, juntamente com outros dois servidores de cargo em comissão foram presos temporariamente. Carús é acusado de extorsão.

O advogado de Carús, de outro lado, considera que a prisão é absurda e arbitrária. “Considerando que o vereador tem mandato, endereço fixo, essa prisão é completamente desnecessária e toma as vezes de uma condução coercitiva”, ressalta Jader Marques. Além disso, Marques salienta que ainda tenta acessar o material da investigação. “Somente após conhecer o que é investigado, mostraremos o absurdo atentado à imagem do vereador e à sua liberdade”.

As investigações começaram em agosto a partir de denúncias formalizadas junto à Delegacia Especializada, dando conta de que servidores públicos municipais lotados em Gabinete do vereador vinham sendo supostamente obrigados a contrair empréstimos consignados junto a uma determinada instituição financeira. A finalidade alegada: pagar dívidas pessoais do vereador. Por isso, estima-se que os valores tomados de empréstimos por servidores do gabinete superem a cifra de R$ 300 mil.

MDB da Capital

Com a deflagração da investigação e prisão de Carús, o diretório municipal informou que o comando da sigla fica a cargo do deputado Tiago Simon. “O MDB de Porto Alegre lamenta e recebe com surpresa o episódio envolvendo o vereador André Carús”, cita a nota oficial.

E complementa que “o partido entende que os fatos devem ser apurados pelas instituições competentes e espera que a verdade apareça. Carús pediu afastamento do cargo de presidente do MDB da capital. O comando partidário fica com o 1º vice-presidente, deputado estadual Tiago Simon”.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895