Ernesto Araújo chama de "falsa" crise da Amazônia, mas diz que notícia "colou"
capa

Ernesto Araújo chama de "falsa" crise da Amazônia, mas diz que notícia "colou"

Ministro afirmou que incêndios na região são menores do que "muitos anos"

Por
AE

Araújo também criticou fala de Bachelet sobre democracia no Brasil


publicidade

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que o aumento dos incêndios na Amazônia ocorridos neste ano é uma "falsa crise" que foi perpetuada pela "ideologia" das pessoas e acabou "colando". Discursando em inglês em um evento em Brasília, ele chegou a admitir que os incêndios cresceram neste ano, mas disse que são menores do que "muitos anos", até quando é possível se comparar pelos registros de satélites.

"Falsa crise, falsa interpretação da situação", disse. Para ele a crise "colou" - única expressão usada por ele em português durante sua fala - por uma questão de "ideologia". "As pessoas olham as imagens e não buscam os fatos", afirmou.

Segundo o ministro, é difícil as pessoas acreditarem nos fatos. "É o sistema que está aí. É um vírus. Não é culpa das pessoas. Suas cabeças estão sendo invadidas por um tipo de pensamento que não permite a elas ver a realidade e isso é ideologia", disse.

Araújo disse que o Brasil tem muitos obstáculos porque há pessoas que têm uma agenda diferente "de mediocridade e estagnação", mas que o governo está tentando avançar nisso e enfrentando as "forças das trevas". "Nossa agenda é popular porque pessoas no Brasil entendem o que estamos tentando fazer. Queremos mudar o sistema e não apenas fazer uma mudança aqui e ali", defendeu. Ele citou a "dor do parto" para se fazer mudanças.


Ernesto Araújo ainda citou a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet. Ele disse que a fala dela sobre a democracia no Brasil estar perdendo espaço é "totalmente absurda e baseada em ideologia". Na sequência, afirmou que algumas pessoas querem "fazer o Brasil parecer mau". Na saída do evento, o ministro disse que tem encontro nesta quinta com o chanceler chileno.