“Foi uma grande sacanagem o que fizeram com Lula”, Okamotto
capa

“Foi uma grande sacanagem o que fizeram com Lula”, Okamotto

Nessa terça-feira, completam-se 500 dias que o ex-presidente está preso

Por
Lucas Rivas/Rádio Guaíba

publicidade

Em meio aos preparativos do ato, que marca os 500 dias de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, reiterou que o petista está ilegalmente detido na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. “Amanhã (sic) fazem 500 dias, em que o companheiro Lula está preso de forma injusta. Foi uma grande armação, uma grande sacanagem o que fizeram com Lula”, exclamou Okamotto.

Nessa segunda-feira, durante entrevista ao Esfera Pública, da Rádio Guaíba, Paulo Okamotto considerou que após a série de reportagens, que colocou em xeque os membros do judiciário, o ex-presidente será absolvido, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar a ação que pede que seja declarada a suspeição do então juiz Sergio Moro no caso do triplex no Guarujá (SP).

“Estou muito mais otimista com o julgamento no STF sobre a imparcialidade do processo, pois houve parcialidade tanto dos membros do MPF, quanto do juiz. Houve um conluio. Foi uma lambança total e absurda”, considerou, em detrimento ao julgamento sobre prisão em segunda instância.

Sobre a progressão de regime de prisão de Lula, Okamotto afirmou que ele pretende ficar preso para provar sua inocência, mesmo que a defesa esteja analisando o caso. A partir de 23 de setembro, o ex-presidente já poderá pedir mudança para o semiaberto.

Segundo Paulo Okamotto, a prisão de Lula englobou um grande projeto político, iniciado no impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, que buscou tirar o PT do governo. “O que a gente percebe é que foi uma grande armação para que Lula fosse impedido de combater o desmonte do nosso Brasil. A luta ‘Lula Livre’, é uma luta muito mais profunda”, declarou.

Nesta terça-feira, estão sendo programados atos para ocorrerem de Norte a Sul do Brasil contra a prisão de Lula. Em Curitiba, Okamoto adianta que uma grande vigília será realizada com apoio da Frente Brasil Popular do Paraná, que convocou diferentes organizações da sociedade em geral para se somar às lutas em torno da bandeira Lula Livre.

Lula preso desde 7 de abril de 2018

Lula está preso desde 7 de abril de 2018 na carceragem da Superintendência da  PF em Curitiba. A ordem de prisão partiu do então juiz Sergio Moro, que abriu mão da carreira na magistratura para assumir o cargo de ministro da Justiça e da Segurança Pública no atual governo. Em julho de 2017, o ex-presidente foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex. Três meses depois da condenação, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reduziu a pena do petista para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão.