Globo acusa Universal sem provas

Globo acusa Universal sem provas

As acusações acontecem às vésperas da eleição municipal

Por
R7

Globo acusa Universal sem provas


publicidade

A Igreja Universal repudiou as alegações divulgadas pela TV Globo em seus principais telejornais sobre denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro apontando um suposto esquema de lavagem de dinheiro envolvendo a instituição e a prefeitura da capital fluminense. O caso ocorre às vésperas da eleição municipal e também em um momento em que a família Marinho é citada em uma delação por ter ligação com Dário Messer, conhecido como o doleiro dos doleiros, réu na Lava Jato.

Lideranças da igreja explicam que a instituição, que existe há 43 anos, sofre há décadas perseguição religiosa e ressaltam que os ataques não têm fundamento e sequer provas. Conforme o bispo Renato Cardoso, responsável pela Igreja Universal no Brasil, a instituição presta contas de todas as suas receitas a todos os órgãos competentes e, por isso, não tem nada a temer. Ele reafirma que a Universal não tem participação em nenhum esquema de lavagem de dinheiro e nem na Prefeitura do Rio. “A Igreja Universal cumpre o seu papel como instituição religiosa e social”, ressalta.

A transparência na função desempenhada pela instituição também é destacada pelo bispo Jadson Santos, responsável pela Igreja Universal no Rio de Janeiro. “É um absurdo falarem isso. A nossa vida não é tirar nada de ninguém, é dar em favor das pessoas aflitas”, observa. A Igreja Universal também questiona o fato de informações sigilosas chegarem apenas à TV Globo. “Tem uma coisa que eu não entendo. Essa combinação da Globo com o Judiciário do Rio de Janeiro. É uma coisa estranha e pergunto por quê? Nós não devemos nada, temos toda a contabilidade da Igreja Universal bem transparente. Não temos o que temer, vamos atrás e eles vão ter que provar isso aí”, complementa Santos.

Na avaliação do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, o ataque ocorre devido à proximidade das eleições e também pela postura da prefeitura, que cortou verbas publicitárias para a Globo e atuou na cobrança de impostos devidos pela emissora carioca, o que não ocorreu nas gestões anteriores. Conforme o cientista político Pedro Costa Júnior, essas acusações, quando feitas muito próximas às eleições, podem afetar o processo. Segundo o advogado Mauricio Ejchel, a conduta da TV Globo não é ‘algo reto’. “Me parece que são tentáculos. Pode ser isso, pode ser aquilo... e qual o objetivo? Aí é que está a grande questão”, analisa.

Doleiro 

As matérias que atacam a Igreja Universal foram ao ar após a Rede Record divulgar a delação premiada de Dario Messer, réu na operação Lava Jato, que revelou uma ligação suspeita entre o “doleiro dos doleiros” e a família Marinho. Nova matéria divulgada ontem pelo Jornal da Record detalhou o denunciado esquema clandestino de repasses semanais de dinheiro vivo, que poderiam ultrapassar R$ 1,5 milhão.

As acusações do doleiro sustentaram que o ex-executivo da emissora José Aleixo recebeu grande quantidade de dólares a pedido dos irmãos Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho entre os anos de 2003 e 2017. Essa, contudo, não seria a primeira vez que os donos do Grupo Globo foram delatados à Justiça. Em pelo menos outras duas ocasiões a Globo teve o nome citado em delações. Em nenhum dos casos, contudo, os supostos crimes foram elucidados.