Governadores reagem após publicação de Bolsonaro sobre repasses federais

Governadores reagem após publicação de Bolsonaro sobre repasses federais

Executivos estaduais divulgaram nota em que acusam a presidência de distorcer informações para promover ataques às administrações

Correio do Povo

Governadores reagem após publicação de Bolsonaro sobre repasses federais

publicidade

Após o presidente Jair Bolsonaro publicar números dos repasses federais para cada estado durante a pandemia do novo coronavírus, os governadores de 16 territórios da federação divulgaram uma nota pública em que demonstram preocupação com a atitude e acusaram o chefe de Estado de distorcer informações para atacar as administrações estaduais. 

"Os Governadores dos Estados abaixo assinados manifestam preocupação em face da utilização, pelo Governo Federal, de instrumentos de comunicação oficial, custeados por dinheiro público, a fim de produzir informação distorcida, gerar interpretações equivocadas e atacar governos locais. Em meio a uma pandemia de proporção talvez inédita na história, agravada por uma contundente crise econômica e social, o Governo Federal parece priorizar a criação de confrontos, a construção de imagens maniqueístas e o enfraquecimento da cooperação federativa essencial aos interesses da população", disse a nota. 

Veja Também

Os governadores salientaram que o governo federal deveria estar preocupado com políticas para conter aglomerações ao invés de adotar uma estratégia de confronto. A postagem de Bolsonaro foi feita pelo Twitter nesse domingo. Na manifestação, o grupo explicou que a distribuição de recursos não se deu por um favor da presidência da república, mas pelo "expresso mandamento constitucional". 

 

A nota publicada pelos governadores ainda pede mais rapidez na vacinação no Brasil. "E sim o entendimento de que a linha da má informação e da promoção do conflito entre os governantes em nada combaterá a pandemia, e muito menos permitirá um caminho de progresso para o País. A contenção de aglomerações – preservando ao máximo a atividade econômica, o respeito à ciência e a agilidade na vacinação – constituem o cardápio que deveria estar sendo praticado de forma coordenada pela União na medida em que promove a proteção à vida, o primeiro direito universal de cada ser humano. É nessa direção que nossos esforços e energia devem estar dedicados", ponderou. 

Os governadores ainda questionaram os números divulgados por Bolsonaro. "Adotando o padrão de comportamento do Presidente da República, caberia aos Estados esclarecer à população que o total dos impostos federais pagos pelos cidadãos e pelas empresas de todos Estados, em 2020, somou R$ 1,479 trilhão. Se os valores totais, conforme postado hoje, somam R$ 837,4 bilhões, pergunta-se: onde foram parar os outros R$ 642 bilhões que cidadãos de cada cidade e cada Estado brasileiro pagaram à União em 2020?".

A nota tem a assinatura dos seguintes governadores: 

Governador do Rio Grande do Sul - Eduardo Leite
Governador de São Paulo - João Doria 
Governador de Alagoas - Renan Filho 
Governador do Amapá - Waldez Góes 
Governador do Ceará - Camilo Santana 
Governador do Espírito Santo - Renato Casagrande 
Governador de Goiás - Ronaldo Caiado 
Governador do Maranhão - Flávio Dino 
Governador do Pará - Hélder Barbalho 
Governador da Paraíba - João Azevêdo 
Governador do Paraná - Ratinho Junior 
Governador de Pernambuco - Paulo Câmara 
Governador do Piauí - Wellington Dias 
Governador em Exercício do Rio de Janeiro - Cláudio Castro 
Governadora do Rio Grande do Norte - Fátima Bezerra 
Governador do Sergipe - Belivaldo Chagas 

 

 

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895