Governo anuncia R$ 430 milhões para enfrentamento da estiagem no RS

Governo anuncia R$ 430 milhões para enfrentamento da estiagem no RS

Deste valor, aproximadamente R$ 300 milhões é a proposta de crédito aos agricultores

AE

Deste valor, aproximadamente R$ 300 milhões é a proposta de crédito aos agricultores

publicidade

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, anunciou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva solicitou uma comitiva para fazer uma visita técnica ao Rio Grande do Sul na quinta-feira, 23, a lugares atingidos pela seca para propor políticas de combate à situação. De acordo com ele, será levada uma proposta de crédito de cerca de R$ 300 milhões, frente ao período de estiagem no interior do Estado.

De acordo com o ministro, serão destinados R$ 430 milhões para medidas emergenciais, como estruturantes. Deste valor, aproximadamente R$ 300 milhões é a proposta de crédito aos agricultores. A informação tinha sido antecipada mais cedo pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. Os recursos serão destinados às áreas da agricultura, desenvolvimento social e defesa civil.

Teixeira afirmou que há problema sério de alimentação de pessoas e animais na região e que a estiagem precisa ser tratada continuamente. Segundo ele, será concedido um crédito de R$ 6 mil para 40 mil agricultores da região. O dinheiro para o crédito, conforme pontua, está no orçamento do MDA ou é sobra do Plano Safra. Além disso, para a agricultura familiar, o ministro citou uma segunda parcela do chamado "crédito instalação", de R$ 5,2 mil, para atender 10 mil famílias.

Outras medidas sobre a estiagem serão estudadas após a visita técnica de amanhã. O anúncio da visita foi feito após reunião desta quarta-feira, 22, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministros Rui Costa (Casa Civil), Paulo Pimenta (Secom), Wellington Dias (Desenvolvimento Social), Waldez Góes (Integração e Desenvolvimento Regional), Carlos Fávaro (Agricultura) e Alexandre Padilha (Secretaria de Relações Institucionais), além do secretário executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895