Governo muda secretarias e Leany deixa governo
capa

Governo muda secretarias e Leany deixa governo

Claudio Gastal vai comandar pasta integrada de Planjeamento e Governança

Por
Correio do Povo

Integrante do governo foi conduzida ao BRDE


publicidade

O Governo do Estado anunciou na noite desta sexta-feira a primeira reforma administrativa no Secretariado. A mudança envolve diretamente três secretarias, que além de alterações no comando também sofrerão nas suas estruturas. A mudança mais impactante foi a saída de Leany Lemos do comando da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão. Ela foi indicada para ocupar uma das diretorias do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Segundo o governo, como o Rio Grande do Sul será o próximo Estado a exercer a presidência rotativa da instituição, Leany será presidente e irá se tornar a primeira mulher à frente do banco. A saída, a pedido, causou estranheza, uma vez que Leany foi uma das idealizadoras do modelo de Distanciamento Controlado adotado pelo Rio Grande Sul para enfrentar a pandemia da Covid-19, com reconhecimento nacional. Até a aprovação do seu nome na diretoria do banco, Leany seguirá na coordenação do Comitê de Dados e participando do Gabinete de Crise que gerencia as ações contra a doença, ocupando um cargo de assessoria do Gabinete do Governador.

Com a saída de Leany, o governo optou por integrar a pasta de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) e a secretaria de Governança e Gestão Estratégica (SGGE). A nova estrutura passará a ser comandada por Claudio Gastal, atual secretário da SGGE.

Outra mudança será na Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Oficialmente, como era esperado desde o início do ano, Rodrigo Lorenzoni, no lugar de Rubens Bender, que a ocupava interinamente. Porém, as áreas serão divididas e, após isso, Lorenzoni ficará com a secretaria de Turismo.


Já na Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), Catarina Paladini deixa o cargo para se dedicar às eleições de 2020. No seu lugar, assume Mauro Luciano Hauschild, procurador federal e ex-presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).