Melchionna critica chapa Manuela/Rossetto, sem prévias, em Porto Alegre

Melchionna critica chapa Manuela/Rossetto, sem prévias, em Porto Alegre

Defensora de uma frente ampla entre partidos de esquerda, deputada do PSol aponta a realização de uma consulta interna, dentro do mesmo campo político

Lucas Rivas / Rádio Guaíba

Melchionna defendeu construção de frente ampla de esquerda para as eleições municipais

publicidade

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSol) criticou, nesta sexta-feira, a construção de uma chapa majoritária entre Manuela D’Avila (PCdoB) como candidata a prefeita e Miguel Rossetto (PT), como vice, sem a realização de prévias entre as legendas de esquerda em Porto Alegre. Defensora de uma frente ampla entre as agremiações, Melchionna aponta a realização de uma consulta interna, dentro do mesmo campo político, para que os dois nomes mais fortes componham uma majoritária capaz de fazer frente à tentativa de reeleição do prefeito Nelson Marchezan Junior (PSDB).

“A unidade é uma necessidade, mas unidade não é adesão. Menos ainda adesão a prato feito, fórmulas conhecidas e já experimentadas”, apontou Melchionna.

Nos bastidores, o PT bateu martelo em torno de Rossetto em função da trajetória e experiência política do ex-ministro e ex-vice-governador. O nome do petista, como candidato a vice, já havia sido antecipado em 31 de dezembro pela colunista Taline Oppitz, do Correio do Povo. Ontem, o Valor Econômico noticiou a construção da aliança. É a primeira vez que o PT abre mão da cabeça de chapa em Porto Alegre.

Crítica dos governos federal, estadual e municipal, Fernanda Melchionna alertou para os rumos que devem ser traçados pela esquerda a fim de frear a escalada conservadora no cenário político. “Uma nova esquerda precisa ser crítica e autocrítica, capaz de, sem arrogância e sectarismos, encontrar as sínteses necessárias para se reencontrar com o povo”, advertiu.

Mesmo criticando a aliança Manuela/Rossetto, Melchionna reitera, na nota, que o diálogo é o melhor caminho para formatar uma candidatura forte e de oposição ao atual governo em Porto Alegre.” Vamos, é claro, seguir batalhando pela unidade. Por isso, nossa proposta de prévias segue, assim como a disposição de sentar, conversar, buscar caminhos. Mas nossa luta por uma alternativa também passa por afirmar nossa candidatura”, finaliza.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895