"Ninguém vai tolher meu direito de ir e vir", diz Bolsonaro em novo passeio

"Ninguém vai tolher meu direito de ir e vir", diz Bolsonaro em novo passeio

Presidente foi ao Hospital das Forças Armadas e depois a uma drogaria

AE

Bolsonaro se encontrou com apoiadores nesta sexta

publicidade

O presidente da República, Jair Bolsonaro, aproveitou a Sexta-feira Santa para fazer um novo passeio por Brasília, contrariando novamente as recomendações sanitárias de isolamento social para evitar a propagação do novo coronavírus. Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, pouco depois das 9h. Na saída, a comitiva do presidente evitou passar pela portaria principal, onde tradicionalmente os jornalistas e apoiadores permanecem à espera de Bolsonaro.

Ele se dirigiu primeiro ao Hospital das Forças Armadas (HFA). Ainda não há informações oficiais sobre o motivo da visita ao HFA. Especificamente questionado sobre o motivo da visita ao hospital, ele desconversou por duas vezes. "Fui tomar um sorvete", afirmou da primeira vez. "Fazer exame de gravidez", acrescentou na segunda oportunidade. Na agenda oficial não constava esse compromisso.

Em seguida, às 10h30min, o presidente parou em uma drogaria, onde tirou fotos com apoiadores. "Ninguém vai tolher meu direito de ir e vir", afirmou. Ao ser indagado sobre o que comprou na farmácia, ele não quis dizer.

Bolsonaro retornou no fim da manhã desta sexta ao Palácio da Alvorada, após visitar o seu filho caçula, Jair Renan, na região Sudoeste de Brasília. Enquanto esteve no apartamento do filho, manifestantes no entorno aplaudiam e vaiavam.

Ministério recomenda evitar aglomerações

A recomendação do Ministério da Saúde é permanecer em casa e evitar aglomerações, como forma de não facilitar a transmissão do novo coronavírus.

Ao sair da drogaria, Bolsonaro foi para o Sudoeste, uma das regiões administrativas do Distrito Federal. Ele visitou o filho Renan e, na saída, ouviu gritos de apoio e de críticas. Depois, voltou ao Alvorada.

Na quinta-feira, Bolsonaro saiu do Palácio do Planalto e foi a uma padaria da Asa Norte de Brasília, onde comeu um pão doce e bebeu refrigerante.

Segundo decreto do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), o comércio pode vender alimentos, mas não é permitido comer no local. Nas imagens, é possível ver que o presidente da República abraçou funcionários do local, cumprimentou pessoas com abraços e apertos de mão, além de posar para fotos. Também há sons de vaias e de algumas panelas em vídeos registrados.

No dia 29 de março, Bolsonaro já havia quebrado o isolamento ao percorrer comércios em Taguatinga e Ceilândia, regiões administrativas do Distrito Federal. O passeio havia ocorrido um dia após o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçar o pedido para que as pessoas mantenham o distanciamento social.

Bolsonaro tem reiterado seu posicionamento contrário ao isolamento social como método para conter a epidemia de coronavírus. Ele considera que esse método prejudica a economia, responsabiliza os governadores que determinaram o fechamento de lojas e defende a reabertura do comércio.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895