Olavo de Carvalho diz que secretaria está "infinitamente acima da capacidade" de Regina Duarte

Olavo de Carvalho diz que secretaria está "infinitamente acima da capacidade" de Regina Duarte

Escritor pediu "perdão" ao presidente Jair Bolsonaro por ter apoiado a indicação dela

AE

Olavo comparou o trabalho da atriz, que assumiu o cargo na quarta, ao desempenho de Roberto Alvim

publicidade

Em ofensiva contra a atriz Regina Duarte, nova secretária especial da Cultura, o escritor Olavo de Carvalho usou as redes sociais para afirmar que ela não tem capacidade de exercer o cargo e pedir "perdão" ao presidente Jair Bolsonaro por ter apoiado a indicação dela. "Peço ao presidente da República que me perdoe por ter endossado o nome dessa senhora para um cargo que está infinitamente acima da capacidade dela", escreveu na noite desta quinta-feira, no Facebook.

Tido como um guru filosófico e ideológico da família Bolsonaro, Olavo de Carvalho comparou o trabalho da atriz, que assumiu o cargo na quarta, 4, ao desempenho do dramaturgo Roberto Alvim, seu antecessor na pasta, demitido após divulgar um vídeo oficial de governo inspirado em frases e estética associadas ao nazismo. "É óbvio que a Regina Duarte, exatamente como o seu antecessor, não tem a menor ideia do que está fazendo", disse Olavo na mesma mensagem.

Nesta semana, Regina passou a ser alvo de uma campanha nas redes sociais que pedia sua saída antes mesmo da posse. O movimento é liderado por uma ala de apoiadores de Bolsonaro conhecida como olavista. O estopim foi uma série de demissões na antiga equipe de Alvim, que tinha aval do grupo ideológico de direita no governo e nas bases de apoio do presidente para ocupar cargos de direção e assessoramento na secretaria e em entidades vinculadas.

Regina pretende nomear no lugar deles pessoas da confiança dela, como o ator Carlos Vereza e o ex-presidente da Fundação Nacional das Artes (Funarte ) Humberto Braga. Olavo já havia dito que ele foi o responsável por aconselhar o presidente sobre a escolha da atriz e que, por isso, ela lhe deve explicação sobre as exonerações.

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895