Onyx garante que há fonte de financiamento para o Renda Brasil

Onyx garante que há fonte de financiamento para o Renda Brasil

Ministro da Cidadania não detalhou de onde virão os recursos para o projeto, mas prometeu anunciá-lo na semana que vem

Gustavo Chagas/Rádio Guaíba

Nova proposta será discutida em reunião de governo nesta sexta-feira

publicidade

O Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM), disse ter um caminho fiscal para viabilizar a criação do programa Renda Brasil. O lançamento do projeto estava previsto para o início da semana, mas foi adiado após impasses entre o Palácio do Planalto e o Ministério da Economia. Em entrevista ao Bom Dia, da Rádio Guaíba, na manhã de hoje, ele não detalhou de onde virão os recursos para o projeto, mas prometeu anunciá-lo na semana que vem.

Onyx ainda afirmou que a nova proposta será discutida em reunião de governo nesta sexta-feira. “É uma novidade que a gente vai levar para o presidente hoje. A gente acabou encontrando, ao longo dos últimos dias, uma fonte de financiamento que não cobre todo este volume de 67 milhões de pessoas, mas que cobre o suficiente para atender todo o Bolsa Família, mais o percentual significativo dos informais invisíveis”, comentou.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a ala militar desejam maior aporte do governo no projeto. Já o ministro Paulo Guedes propõe o corte de outros benefícios para financiar o substituto do Bolsa Família sem furar o teto de gastos. O chege de Estado inclusive, criticou publicamente Guedes, dizendo que o governo não pode “tirar de pobre para dar para paupérrimos”.

Afastamento de Witzel

O ministro da Cidadania também falou de outras questões da política nacional. Onyx Lorenzoni comentou o afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). O político era aliado do presidente, mas ambos romperam as relações neste ano. “Quem semeia vento, aquela velha história, colhe tempestade”, ironizou. “A Justiça e o Ministério Público têm cumprindo seu papel como tem que ser”, avaliou Lorenzoni.

O ministro ainda foi questionado sobre a indicação presidencial para o comando da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O atual reitor, Ruy Oppermann, venceu a consulta realizada na comunidade acadêmica. No entanto, aliados do governo têm mais simpatia pelo terceiro colocado na disputa, Carlos Bulhões. Onyx disse não estar a par do caso.

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895