Pandemia abre discussão sobre utilização de fundos partidário e eleitoral

Pandemia abre discussão sobre utilização de fundos partidário e eleitoral

Parlamentares apresentaram propostas para remanejo dos R$ 3 bilhões dos fundos eleitoral e partidário. Assunto também é discutido na Justiça

Correio do Povo

Assunto deve ser discutido no Congresso Nacional

publicidade

A destinação dos recursos do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral para serem incorporados aos recursos disponíveis para a Saúde passou a integrar os debates no Congresso Nacional. No Senado e na Câmara dos Deputados, parlamentares apresentaram projetos que, caso venham a ser aprovados, possibilitariam o aporte de cerca de R$ 3 bilhões para o enfrentamento ao novo coronavírus. Mas, não há previsão efetiva para que as propostas avancem em plenário. 

Além disso, existem resistências em relação ao assunto. Durante a votação na Câmara dos Deputados da PEC do ‘orçamento de guerra’, há duas semanas, a bancada do Novo apresentou emenda destinando os recursos dos fundos. Porém, a mesma foi rejeitada. Em reação, o partido Novo ingressou na Justiça pedindo a liberação para destinar os R$ 34 milhões que tem acumulado no seu fundo desde 2015, ao combate à covid-19. O ministro Luis Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou o pedido. Agora o debate ocorrerá no pleno do TSE, mas sem data definida. Ao mesmo tempo, o Ministério Público Eleitoral argumentou que os valores não podem ser remanejados e nem há, na legislação, previsão de devolução ao Tesouro. A orientação é que haja alteração por meio de lei específica a ser discutida no Congresso. 

Nesta semana passada, a Justiça Federal bloqueou os recursos dos fundos. O Senado, representando o Congresso Nacional, e a Advocacia-Geral da União recorreram e derrubaram a decisão. A Mesa do Congresso entende que a decisão de um juiz federal de Brasília consiste em grave lesão à ordem pública e uma interferência indevida do Poder Judiciário no Poder Legislativo. Além disso, está em discussão a manutenção do calendário eleitoral deste ano. Internamente, o TSE considera possível um adiamento na realização do pleito. 

Propostas alteram a destinação de recursos

Com o avanço da crise da pandemia, diversas iniciativas foram apresentadas por parlamentares, no último mês, com o intuito de repassar os valores dos fundos para ações de combate à pandemia do novo coronavírus. Entre elas está a do parlamentar gaúcho Pompeo de Mattos (PDT). No texto, o deputado pede que o Congresso autorize a destinação integral, pelo Executo, do fundo eleitoral para o Ministério da Saúde investir integralmente nas ações de enfrentamento dos efeitos da pandemia. Ele sustenta que o enfrentamento à pandemia está “exigindo das autoridades públicas um grande comprometimento para que o seu enfrentamento ocorra de forma a que possamos preservar o máximo possível de vidas, assim como, minimizar os seus efeitos sobre a nossa estrutura produtiva que corre o risco de colapsar”, aponta Pompeo. 

Outros projetos foram apresentados basicamente com a mesma intenção de que, enquanto durar o combate à pandemia, os recursos previstos para campanhas eleitorais sejam destinados ao serviço de saúde. Alguns textos sugerem ainda que parte do dinheiro do fundo partidário, destinado ao custeio do dia a dia das legendas, seja usado em ações contra a pandemia.

No Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Major Olimpio (PSL-SP) propuseram a utilização dos recursos dos fundos para ações na saúde por meio de ajuste no orçamento. Randolfe diz acreditar que é possível destinar todos os recursos financeiros para o SUS. O líder do PSL, senador Major Olímpio, prevê a transferência dos valores em emenda apresentada à medida provisória que está em debate no Senado. Já o senador gaúcho Lasier Martins (Podemos) apresentou um projeto que destina os recursos do Fundo Eleitoral para as vítimas da pandemia. 

Entenda 

O Fundo Partidário foi criado em 1995 para bancar despesas fundamentais dos partidos, como energia elétrica, água e salário de colaboradores. É formado por uma mistura de dinheiro público e privado oriundo de arrecadação de multas, penalidades pagas por partidos políticos, doações de pessoas físicas e um montante definido anualmente nas leis orçamentárias. O valor aprovado em 2019 ficou em cerca de R$ 927 milhões. Para esse ano, está previsto cerca de R$ 1 bilhão. 

O Fundo Eleitoral foi criado em 2017 para custear as despesas de campanhas eleitorais. A criação ocorreu após a determinação do fim do financiamento privado, pelo Supremo Tribunal Federal, em 2015. Os valores só ficam disponíveis em ano de eleição. Em 2018, o valor foi de R$ 1,7 bilhão. Para 2020, com as eleições municipais em outubro, o valor supera R$ 2 bilhões.

Os valores constam na Lei Orçamentária Anual de (LOA) de 2020, que foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste ano.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895