Por unanimidade, Dr. Jairinho perde mandato de vereador no Rio de Janeiro

Por unanimidade, Dr. Jairinho perde mandato de vereador no Rio de Janeiro

Preso desde 8 de abril, o agora ex-parlamentar é acusado pela morte do enteado Henry Borel, de 4 anos

R7

Ex-parlamentar está preso acusado pela morte do enteado Henry Borel

publicidade

Por unanimidade, Jairo Souza Santos Junior, conhecido como Dr. Jairinho, teve o mandato cassado em votação na Câmara Municipal do Rio nesta quarta-feira. Ele se tornou o primeiro vereador a perder o cargo na história do Rio. A decisão foi tomada por quebra de decoro do agora ex-parlamentar, que está preso acusado pela morte do enteado Henry Borel, de 4 anos.

De forma breve, o vereador Luiz Ramos Filho (PMN) leu o relatório aprovado por unanimadade, na segunda, pelo Conselho de Ética da Câmara. Os telefonemas para o governador Claudio Castro e para o conselheiro do hospital onde Henry morreu na tentativa de liberar o corpo da criança na unidade de saúde e evitar que passasse no IML (Instituto Médico Legal) foram citados como condutas incompatíveis com o cargo.

Por cerca de duas horas, vereadores que se pronunciaram na tribuna da Casa concordaram com o parecer favorável pela cassação.Já a defesa sustentou que Dr. Jairinho era querido na Câmara, citou reeleições no cargo e que não havia provas, como vídeos, que mostrassem que ele havia agredido a criança. O advogado afirmou ainda que o cliente não ligou para o governador na tentativa de "dar um jeitinho" para esconder suposto delito.

Após a morte do menino, o ex-parlamentar já havia sido expulso do partido Solidariedade e perdido a Medalha Tiradentes, concedida pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Caso Henry

Henry Borel morreu no dia 8 de março na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Ele foi levado pela  mãe, Monique Medeiros, e pelo padrasto, Jairinho, até um hospital particular, onde o casal alegou ter encontrado o menino caído no chão.

No entanto, o laudo de necrópsia do Instituto Médico Legal (IML) apontou que Henry morreu em decorrência de uma laceração no fígado proveniente de uma "ação contundente". O documento atestou mais de 20 ferimentos em diversas partes do corpo, inclusive nos rins, no pulmão e na cabeça. A perícia apontou que as lesões não seriam compatíveis com acidente.

No curso das investigações, foram reveladas mensagens trocadas entre Monique e a babá de Henry, Thayná Oliveira, nas quais ela relatava à mãe do menino um episódio de agressão do padrasto contra o enteado. Após ficar trancado no quarto com Jairinho, Henry teria saído mancando e com dor na cabeça, afirmando que o ex-vereador tinha lhe dado uma "banda".

No dia 8 de abril, Jairinho e Monique foram presos provisoriamente por atrapalharem as investigações do caso. Em 3 de maio, a Polícia Civil concluiu o inquérito da investigação, indiciando os dois por homicídio duplamente qualificado e tortura.

Em 7 de maio, a Justiça aceitou a denúncia contra Jairinho e Monique e eles se tornaram réus e tiveram prisão preventiva decretada. O ex-vereador foi acusado de homicídio triplamente qualificado, cometido por motivo torpe, com impossibilidade de defesa da vítima e de forma cruel. Ele também responde por tortura e coação de testemunha.

Outras denúncias

Com a repercussão do caso Henry, vieram à tona novas denúncias de agressões cometidas por Jairinho contra outras duas crianças e uma ex-namorada.

Nesta terça, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou o ex-vereador por tortura do filho da ex-namorada Débora Saraiva, que aconteceu em 2016, quando o menino tinha três anos. Jairinho também foi indiciado pela Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), no último dia 16, por cometer violência doméstica contra Débora, na época em que estavam juntos.

Em 30 de maio, o médico foi denunciado pelo MP-RJ pela tortura da filha de outra ex-namorada. A menina sofreu agressões entre 2011 e 2012, quando tinha quatro anos. Segundo o documento, o ex-parlamentar submeteu a criança a intenso sofrimento físico e mental, como forma de castigo pessoal.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895