Repressão policial a protestos contra presidente deixa um morto na Bielorússia

Repressão policial a protestos contra presidente deixa um morto na Bielorússia

Porta-voz da segurança afirmou que homem tentou atirar artefato que explodiu em suas mãos

AFP

Forte aparato tenta impedir protestos

Um manifestante morreu na noite desta segunda-feira, na Bielorússia, em meio a protestos contra a reeleição para um sexto mandato do presidente Alexandre Lukashenko, dispersados pelas forças de segurança. "Um dos manifestantes tentou lançar um objeto explosivo contra as forças de segurança, mas o objeto explodiu em suas mãos", matando-o, afirmou a polícia em um comunicado.

A porta-voz das forças de segurança bielorrussa, Olga Tchemodanova, confirmou a morte. Outras pessoas também ficaram feridas, disse ela, sem dar mais detalhes.

O anúncio foi feito em um momento em que a polícia bielorrussa dispersa à força as manifestações contra os resultados de uma eleição presidencial tensa no domingo, com gás e balas de borracha.

A candidata da oposição em Belarus refutou os resultados oficiais nesta segunda-feira e pediu ao presidente Alexandre Lukashenko que renunciasse ao poder no dia seguinte às eleições e à violenta repressão às manifestações antigovernamentais.

Svetlana Tikhanovskaya, que em poucas semanas se tornou rival inesperada do autocrata que governa o país há 26 anos com mão de ferro, denunciou fraudes após o anúncio da vitória do presidente com 80% dos votos. "O poder deve refletir sobre como nos ceder o poder. Eu me considero a vencedora das eleições", disse a novata política de 37 anos, que denunciou a repressão às manifestações contra a reeleição do homem forte do Belarus, reprimido com particular virulência em Minsk, onde as forças da ordem lançaram granadas e dispararam contra os milhares de pessoas reunidas.

O partido da oposição, que acusou o regime de "se manter pela força", não participou das manifestações marcadas para esta segunda-feira. A porta-voz de Tikhanovskaya explicou que ela não compareceria porque "o poder poderia organizar qualquer situação para detê-la". Nesta segunda-feira à noite, barricadas foram erguidas nas ruas centrais de Minsk, um sinal do aumento das tensões, e várias explosões foram ouvidas, de acordo com um jornalista da AFP no local.

O Ministério do Interior informou pela manhã que 3.000 pessoas haviam sido detidas, além de 50 civis e 39 policiais feridos em 33 localidades. No exterior, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, condenou a repressão e exigiu uma recontagem "exata" dos votos e a OTAN mostrou "séria preocupação" com os resultados eleitorais e condenou a violência. Os líderes russos e chineses Vladimir Putin e Xi Jinping parabenizaram o presidente Lukashenko.

A Casa Branca disse nesta segunda-feira que está "profundamente preocupada" com a eleição presidencial na e pediu às autoridades que permitam protestos. A assessora de imprensa do presidente Donald Trump, Kayleigh McEnany, disse que "a intimidação de candidatos da oposição e a detenção de manifestantes pacíficos" estavam entre os vários fatores que "prejudicaram o processo".

"Instamos o governo bielorrusso a respeitar o direito de se reunir em paz e abster-se do uso da força", disse a repórteres. Nas últimas semanas, o presidente bielorusso acusou Moscou de querer subjugar seu país e de tentar desestabilizá-lo, em particular enviando mercenários.

Lukashenko afirmou nesta segunda-feira que as manifestações foram "teleguiadas" a partir do exterior e destacou que "não permitirá que o país seja feito em pedaços". Ele também acusou forças estrangeiras de terem cortado a internet no Belarus. A oposição acredita que as autoridades orquestraram os cortes para melhor organizar a repressão. "Lukashenho não é digno de ser presidente. Ele envergonha nosso país com seus atos", declarou à AFP um dos manifestantes, Pavel, um empresário de 34 anos. Em 2010, depois da eleição presidencial, as manifestações da oposição foram brutalmente reprimidas.

 

 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895