Saída de Moro e morte de Bebianno me motivaram a falar, diz Marinho

Saída de Moro e morte de Bebianno me motivaram a falar, diz Marinho

Polícia Federal fará uma perícia no celular do empresário na quinta-feira

R7

publicidade

O empresário Paulo Marinho, que prestou mais um depoimento para a Polícia Federal (PF) nesta terça-feira, no inquérito da suposta interferência política de Jair Bolsonaro na corporação, afirmou que decidiu falar em respeito a memória de Gustavo Bebianno e a saída de Sérgio Moro do governo Bolsonaro.

"Se estivesse vivo, estaria falando ele [Bebianno]", afirmou Marinho após depor por quase sete horas na sede da PF no Rio De Janeiro. Ele chegou por volta de 8h45min e saiu por volta das 15h10min, onde falou rapidamente com a imprensa.

Em uma publicação nas redes sociais, o empresário disse ter levado "novos elementos" em depoimento à PF do Rio de Janeiro.

A PF também determinou que fosse feita uma perícia no celular do empresário, que segundo ele, foi agendada para quinta-feira. Segundo ele, esta perícia é "sinal de que eles [delegados da PF] acreditam que eu possa colaborar". Marinho afirmou ainda que "trouxe elementos materiais" para serem incluídos no depoimento e que não revelará detalhes em respeito ao sigilo imposto pelo ministro Celso de Mello do Supremo Tribunal Federal (STF).

Marinho já havia prestado um depoimento que durou 5 horas, no último dia 20, na Polícia Federal e outro, no dia 21, na sede do Ministério Público Federal, no Rio de Janeiro, ambos parte do inquérito sobre vazamento de informações sigilosas da PF ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ)

O empresário é pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro pelo PSDB e aliado dos governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio, Wilson Witzel.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895