Saúde orientou dose de cloroquina 4 vezes menor do que a adotada em Manaus, diz Mayra em CPI

Saúde orientou dose de cloroquina 4 vezes menor do que a adotada em Manaus, diz Mayra em CPI

Segundo a secretária do Ministério da Saúde, 22 pacientes foram a óbito pelo uso de quantidades "tóxicas" do medicamento

AE

Segundo a secretária do Ministério da Saúde, 22 pacientes foram a óbito pelo uso de quantidades "tóxicas" do medicamento

publicidade

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, afirmou que seu trabalho à frente do Pasta com relação ao uso da cloroquina foi para disponibilizar uma "orientação segura" sobre o uso do medicamento. Segundo ela, a orientação do Ministério da Saúde surgiu em um contexto em que 22 pacientes em Manaus foram a óbito pelo uso de quantidades "tóxicas" de cloroquina.

Veja Também

Mayra afirmou que, com medo de "prevaricar" a situação que ocorreu em Manaus, e evitar que ela acontecesse no resto do País, o Ministério da Saúde lançou uma nota sobre o uso do medicamento. Segundo ela, o fármaco estava sendo usado em quantidades "tóxicas", quatro vezes maior que o preconizado, e a nota do ministério surgiu na tentativa de corrigir isso.

Mayra também afirmou que este uso excessivo do medicamento foi o responsável pela "imputação" de crime ao fármaco, dizendo que ele teria feito parte da "estigmatização" do medicamento. Mayra reclamou ainda sobre o "policiamento ideológico" que acontece ao redor dos medicamentos.

Segundo a secretária, não existem levantamentos que permitam analisar o impacto do uso do remédio no número de óbitos porque médicos e prefeituras "escondem" a adoção do medicamento por conta desse "policiamento".


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895