Superpedido de impeachment contra Bolsonaro é protocolado na Câmara

Superpedido de impeachment contra Bolsonaro é protocolado na Câmara

Documento foi assinado por deputados da oposição e da centro-direta e aponta uma série de crimes que teriam sido cometidos pelo presidente

AE

Superpedido de impeachment contra Bolsonaro reuniu 46 assinaturas

publicidade

Com 46 assinaturas e 271 páginas, a Câmara recebeu nesta quarta-feira um superpedido de impeachment contra o presidente da República, Jair Bolsonaro. O documento é assinado por deputados da oposição e da centro-direta, como Joice Hasselmann (PSL-SP), Kim Kataguiri (DEM-SP) e Alexandre Frota (PSDB-SP). 

O texto foi elaborado pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e tem como signatários, além dos parlamentares, entidades representativas da sociedade e personalidades e aponta uma série de crimes que teriam sido cometidos por Bolsonaro desde que assumiu a presidência.

O pedido reúne os autores dos mais de 100 pedidos já protocolados desde o início do mandato, com 23 tipos de acusações de crimes penais que teriam sido cometidos pelo presidente. A frente reúne PSol, PT, PDT, PV, Rede Sustentabilidade, Cidadania, Central de Movimentos Populares (CMP), União Nacional dos Estudantes (UNE) e Movimentos dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), entre outros. 

"As últimas denúncias de corrupção na compra de vacina trazem mais força ainda ao pedido", afirmou o líder da Oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ). "O que está sendo feito aqui é algo histórico", disse o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). "Bolsonaro é um irresponsável, tirando máscara de bebezinho", afirmou a deputada Joice Hasselmann. Ela disse ter se arrependido de ser líder do governo Bolsonaro, a quem chamou de "ogro".

O pedido menciona que Bolsonaro teria cometido crime contra o livre exercício dos poderes, ao participar de ato com ameaças ao Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF); usar autoridades sob sua subordinação para praticar abuso de poder no espisódio de troca do comando militar e interferir na Polícia Federal; incitar militares à desobediência à lei ou infração à disciplina; provocar animosidade nas classes armadas, ao incentivar motim dos policiais militares em Salvador; e as omissões e erros no combate à pandemia, que seriam crie contra a segurança interna.

A escolha de dar ou não seguimento aos pedidos de impeachment é do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), aliado do governo. A maioria dos pedidos, no entanto, chegou à Casa ainda na gestão de Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Veja Também

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895