Área das Máquinas Agrícolas da Expodireto irá receber 163 expositores

Área das Máquinas Agrícolas da Expodireto irá receber 163 expositores

Fabricantes preparam novidades e esperam vender 15% a mais na feira deste ano

Por
Taís Teixeira

Área está entre as mais visitadas da feira e conta com 163 expositores


publicidade

Espaço tradicional que atrai grande número de visitantes, a Área das Máquinas Agrícolas da Expodireto recebe 163 dos 573 expositores da feira. Com um grande número de indústrias concentradas no mesmo lugar, é a oportunidade de o produtor visitar várias empresas, comparar tecnologias, valores e condições de compra.

A sul-coreana LS Tractor apresenta os novos modelos da Série Plus com tecnologia Power Shuttle de transmissão com dispositivo Hi / Low, ativada por um botão, que permite ao operador trocar 12 velocidades sem utilizar a embreagem principal do trator. Dessa forma, dobra-se a quantidade de marchas disponíveis, passando o número de marchas para 24 a frente e 24 à ré. O vice-presidente da LS Mtron (dona da empresa LS Tractor), André Rorato, projeta lucro na feira. “A LS Tractor trabalha com uma projeção de crescimento de 15% em relação às negociações realizadas em 2019”, afirma.

A John Deere tem como destaque a linha de tratores 6M, de médio porte. Composta por cinco tratores com potência de 135 a 210 cavalos, atende os produtores que precisam de uma máquina para todos os portes e perfis de lavouras, com a opção do novo eixo dianteiro de suspensão, que aumenta em 8% a produtividade. O diretor para Assuntos Corporativos, Alfredo Miguel Neto, avalia um panorama propício para negócios. “O produtor quer fazer investimento. O país vive um período de transição de crédito equalizado para crédito não equalizado. É um benefício que torna o produtor menos dependente em relação ao financiamento governamental e mais autônomo na tomada de decisão”, avalia.

A indiana Mahindra exibe novidades para os produtores de frutas e de café com o modelo 6075, um trator de 80 cavalos de potência para trabalhar entre os pomares, de simples operação e baixo consumo de combustível. A empresa tem foco na agricultura familiar e em produtores de pequeno e médio porte. Para este ano, a projeção é de aumento de vendas. “A expectativa da Mahindra é de 15% de crescimento em relação à edição anterior”, confirma o presidente da Mahindra no Brasil, Jak Torretta.

A Massey Fergusson leva inovações tecnológicas, como plantadeiras dobráveis. Mas o diferencial é um ciclo de palestras. “Vamos ter um ciclo de quatro palestras, de 2 a 5 de março, no espaço da Massey, com líderes e influenciadores digitais do agronegócio”, afirma o diretor de vendas da Massey Fergusson, Eduardo Nunes.


O presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul, Claudio Bier, admite que o produtor pode se sentir receoso porque está pressionado por dois fatores, a estiagem e a falta de aporte do Pronaf. Mas não prevê queda nos negócios na equiparação com a edição anterior. “Vamos trabalhar com a margem de que chegaremos aos números de 2019”, revela. “Se houver superação, será um resultado excelente.”