Fórum discute os novos caminhos para o milho na Expodireto
capa

Fórum discute os novos caminhos para o milho na Expodireto

Um dos principais eventos da feira organizada pela Cotrijal vai tratar do programa de aumento de produção e da rotação do cereal com outras culturas

Por
Correio do Povo

Segundo Odacir Klein, "fórum irá ocorrer em um ano em que a produção de milho foi prejudicada pela estiagem"


publicidade

O 12º Fórum Nacional do Milho vai atrair produtores, pesquisadores, lideranças, empresários e interessados em conhecer ou atualizar as dinâmicas que movem o setor durante a próxima Expodireto Cotrijal. O evento está marcado para a próxima segunda-feira e integra a programação da exposição, que começa no dia 2 e vai até 6 de março.

Integrante do Instituto Gianelli Martins e coordenador de uma das atividades do fórum, Odacir Klein explica que essa edição tem um novo foco. “O Fórum vai ocorrer num ano em que a produção de milho foi sensivelmente prejudicada pela estiagem. Será um fórum de reação com uma temática diferenciada em relação às edições anteriores”, antecipa.

O primeiro painel, coordenado por Klein, vai divulgar o Programa Estadual de Produção e Qualidade do Milho, Pró-Milho, lançado na 9ª Abertura da Colheita do Milho, em Chiapetta, dia 7 de fevereiro. O secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, e o diretor de Política Agrícola e Desenvolvimento Rural, Ivan Bonetti vão apresentar o programa.

O Pró-Milho tem o propósito de criar e estimular mecanismos que facilitem a irrigação, aumentem a produtividade, garantam recursos para seguro e melhorem a qualidade do grão. A meta é tornar o estado autossuficiente na cultura. Hoje, para atender a demanda interna, é preciso trazer milho do Centro-Oeste, com altos custos de frete.

“Nosso estado tem apenas uma safra, ao contrário das outras regiões do país”, compara Klein. “O produtor faz um cálculo imediatista e opta pela soja. Mas temos que ir além do imediatismo. A cultura do milho é fundamental por aspectos agronômicos e econômicos”, contextualiza.

O segundo painel – “Milho: Produção Protetiva” – será coordenado pelo presidente da Apromilho/RS, Ricardo Meneghetti, e terá exposições do chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Trigo, Jorge Lemainski, e do pesquisador e consultor José Ruedell.

“O milho é uma produção protetiva essencial para a rotação de culturas e para a manutenção de qualidade de solo e de água. Alternado com a soja traz ganhos ao produtor, por questão de sustentabilidade e preservação ambiental. É preciso rotação de cultura e não uma opção mais constante apenas por soja”, enfatiza Klein.